Imagem e estética na construção discursiva do popular: reflexões sobre duas telenovelas de João Emanuel Carneiro

  • Rosana Mauro Universidade de São Paulo (USP), Brasil.
Palavras-chave: telenovela, popular, estética, imagem, cotidiano

Resumo

Este artigo objetiva abordar a construção discursiva do popular do ponto de vista da imagem nas telenovelas de João Emanuel Carneiro, com a direção de Amora Mautner – Avenida Brasil (2012) e A regra do jogo (2015). O intuito é refletir sobre como o discurso popular é constituído pelo formato da telenovela, sua estrutura visual e materialidade. A observação de cenas sugere a existência de uma estética que relaciona o popular ao cotidiano, ao rotineiro e vulgar, colocando as necessidades do corpo em evidência. Tais aspectos apontam para um efeito de realidade que atualiza o caráter de representação de cotidiano da telenovela e dialoga com o real democrático discutido por Rancière (2010). O trabalho também apresenta a pertinência de um estudo que dialogue com as teorias do imaginário, como ampliação e complemento a uma análise discursiva. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Mauro, Universidade de São Paulo (USP), Brasil.
Doutoranda e mestre em Ciências da Comunicação no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA-USP.

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1999.

______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARROS, A. T. M. P. A saia de Marilyn: do arquétipo ao estereótipo nas imagens midiáticas. E-Compós, Brasília, v. 12, n. 1, p. 1-17, jan./abr, 2009.

BENJAMIN, W. Paris, capital do século XIX. In: KOTHE, F. (Org.). Walter Benjamin. São Paulo: Ática, 1985. p. 32-43.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BRASIL. Secretaria de Assuntos Estratégicos. Vozes da classe média. Brasília, DF: SAE/PR; SECOM, 2012.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução a arquetipologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. O retorno do mito: introdução à mitologia. Mitos e sociedade. Famecos, Porto Alegre, n. 23, p. 7-22, abr. 2004.

FIGUEIREDO, C. Novo diccionário da língua portuguesa. 1913. Disponível em: < http://www.dicionario-aberto.net/dict.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2016.

FIGUEIREDO, V. L. F. A partilha do espaço urbano e a questão do outro próximo: repercussões no discurso teórico e na ficção cinematográfica. Galáxia, São Paulo, n. 24, p. 103-114, dez. 2012.

HAMBURGER, E. Diluindo fronteiras: a televisão e as novelas no cotidiano. In: SCHWARCZ, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 439-487.

LOPES, M. I. V.; MUNGIOLI, M. C. P. Brasil: a telenovela como fenômeno midiático. In: LOPES, M. I. V.; OROZCO-GÓMEZ, G. (Coords.). Memória social e ficção televisiva em países ibero-americanos: anuário Obitel 2013. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 129-167.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

MAURO, R. Aspectos da midiatização do consumo e do sentido de classe social na telenovela: a representação da “nova classe C”. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MEYER, M. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MOTTER, M. L. Ficção e realidade: a construção do cotidiano na telenovela. São Paulo: Alexa Cultural, 2003.

PEÑUELA CAÑIZAL, E. Enquadramentos ideológicos e escriturais em textos visuais. Matrizes, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 95-111, jul./dez. 2013.

RANCIÈRE, J. O efeito de realidade e a política da ficção. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 86, p. 75-80, mar. 2010.

RONSINI, V. V. M. A crença no mérito e a desigualdade: a recepção da telenovela do horário nobre. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SANTAELLA, L. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SILVA, G.; SOARES, R. L. Para pensar a crítica de mídias. Famecos, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 820-839, set./dez. 2013.

SOARES, R. L. Telas e janelas, molduras das imagens. Significação, São Paulo, v. 28, n. 16, p. 31-44, 2001.

STAM, R.; SHOHAT, E. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

XAVIER, I. O olhar e a cena: melodrama, Hollywood, cinema novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

Publicado
2016-12-17
Como Citar
MAURO, R. Imagem e estética na construção discursiva do popular: reflexões sobre duas telenovelas de João Emanuel Carneiro. RuMoRes, v. 10, n. 20, p. 213-233, 17 dez. 2016.
Seção
Artigos