O diálogo entre estética e ética na produção de sentidos de educação e cidadania na telenovela Meu pedacinho de chão

Palavras-chave: telenovela brasileira, remake, produção de sentido, educação, estética e ética

Resumo

A nova versão da telenovela Meu pedacinho de chão (Globo, 2014) traz como marca distintiva, em termos discursivos e de linguagem de televisão, uma enorme confluência de estilos e linguagens (literárias, teatrais, audiovisuais). O presente artigo discute conceitos de remake e analisa aspectos da construção do enredo e sua produção de sentido, destacando a abordagem de temas a partir da relação responsável entre estética e ética (BAKHTIN, 2010). Sob este eixo são enfatizados os temas da educação e da fábula. Compõe ainda do artigo um panorama diacrônico das diferentes versões dessa telenovela na TV brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Palma Mungioli, Universidade de São Paulo
Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA-USP.
Gustavo Amaral, Universidade de São Paulo
Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA-USP.

Referências

ALENCAR, M. A Hollywood brasileira: panorama da telenovela no Brasil. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2004.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

AUMONT, J; MARIE, M. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas: Papirus, 2006.

MEMÓRIA GLOBO. Autores: histórias da teledramaturgia. São Paulo: Globo, 2008. 2 v.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João, 2010.

______. Estética da criação verbal. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011.

BALOGH, A. M.; MUNGIOLI, M. C. P. Adaptações e remakes: entrando no jardim dos caminhos que se cruzam. In: LOPES, M. I. V. (Org.). Ficção televisiva no Brasil: temas e perspectivas. São Paulo: Globo, 2009. p. 313-351.

BORELLI, S. H. S. Telenovelas brasileiras: balanços e perspectivas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo v. 15, n. 3, p. 29-36, jul./set. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392001000300005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 maio 2014.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BUTLER, J. Televison style. New York; London: Routledge, 2010.

COELHO, N. N. Fábula. In: CEIA, C. (Coord.). E-Dicionário de Termos Literários (EDTL). 2005. Disponível em: <http://edtl.fcsh.unl.pt/business-directory/6259/fabula/>. Acesso em: 13 jul. 2014.

COMPARATO, D. Da criação ao roteiro: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2009.

ECO, U. Innovation et répétition: entre esthétique moderne e post-moderne. Réseaux, [s.l.], n. 68, 1994. Disponível em <http://bit.ly/2keNfQX>. Acesso em: 20 jan 2006.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: EDUSP; Imprensa Oficial, 2001.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

IANNI, O. A ideia de Brasil moderno. São Paulo: Brasiliense, 2004.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tendências demográficas: uma análise dos resultados da amostra do Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2004. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv4889.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2014.

JULLIER L.; LEVERATTO, J.-M. La leçon de vie dans le cinéma hollywoodien. Paris: J. VRIN, 2008.

LOPES, M. I. V. A telenovela como recurso comunicativo. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 21-47, ago./dez. 2009.

LOPES, M. I. V.; MUNGIOLI, M. C. P. Brasil: a telenovela como fenômeno midiático. In: LOPES, M. I.V.; OROZCO-GÓMEZ, G. (Coords.). Memória social e ficção televisiva em países ibero-americanos: anuário Obitel 2013. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 129-167.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

MARTÍN-BARBERO, J.; REY, G. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac, São Paulo, 2001.

MESQUITA, L. ‘A maior função da televisão é criar cidadãos’, diz Luiz Fernando Carvalho. Folha de S.Paulo, São Paulo, 26 jan. 2016. Ilustrada. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/01/1734731-a-maior-funcao-da-televisao-e-criar-cidadaos-diz-luiz-fernando-carvalho.shtml>. Acesso em: 28 jan. 2016.

MONACO, J. How to read a film: movies, media, and beyond – Art, Technology, Language, History, Theory. New York: Oxford University Press, 2009.

MOTTER, M. L. Ficção e realidade: a construção do cotidiano na telenovela. São Paulo: Alexa Cultural, Comunicação & Cultura, 2003.

______. Telenovela: reflexo e refração na arte do cotidiano. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO – GT 21 Ficção Televisiva Seriada, 21., 1998, Recife. Anais… São Paulo: Intercom, 2002. p. 1-66. Disponível em: <http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/de14671ff94329deb4d1756ec2696184.PDF>. Acesso em: 31 jan. 2016.

______. Telenovela: do analfabetismo visual à alfabetização pela palavra. Revista USP, São Paulo, n. 66, p. 198-208, jun./ago. 2005.

MUNGIOLI, M. C. P. Entre o ético e o estético: o carnavalesco e o cronotopo na construção do narrador da minissérie Capitu. Líbero, São Paulo, v. 16, n. 31, p. 105-114, jan./jun. 2013.

PADIGLIONE, C. Benedito Ruy Barbosa volta à cena. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 5 abr. 2014. Disponível em: <http://cultura.estadao.com.br/noticias/televisao,benedito-ruy-barbosa-volta-a-cena,1149820>. Acesso em: 18 jan. 2017.

PRUDÊNCIO, V. Meu Pedacinho de Chão: press release. Comunicação Globo, Rio de Janeiro, 27 mar. 2014.

SACONI, R. Mobral, fracasso do Brasil grande. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 set. 2010. Caderno Brasil. Disponível em: <http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,mobral-fracasso-do-brasil-grande-imp-,606613>. Acesso em: 01 jul. 2014.

SOUZA, M. C. J. (Org.). Analisando telenovelas. Rio de Janeiro: E-papers, 2004.

TUFTE, T. Telenovelas, cultura e mudanças sociais: da polissemia, prazer e resistência à comunicação estratégica e ao desenvolvimento social. In: LOPES, M. I. V. Telenovela: internacionalização e interculturalidade. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 293-320.

WELFRINGER, A. Les animaux des Fables sont-ils des personnages ? Fabula – la recherche en littérature, Paris, 17 jul. 2013. Disponível em: <http://www.fabula.org/atelier.php?Les_animaux_des_Fables_sont-ils_des_personnages>. Acesso em: 19 jun. 2014.

Publicado
2016-12-17
Seção
Artigos