Televisão brasileira e ditadura militar: tudo a ver com o que está aí até hoje

  • Eugênio Bucci Universidade de São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: televisão, ditadura militar, instância da palavra impressa, telespaço público, instância da imagem ao vivo

Resumo

Dados os parâmetros gerais da transformação do espaço público ao longo do século XX, em razão dos meios de comunicação de massa, o presente trabalho analisa a conversão do espaço público no Brasil – tal como foi posto pela instância da palavra impressa – em telespaço público, regido pela instância da imagem ao vivo, segundo uma nova conformação e sujeito a outras leis comunicacionais. A ditadura militar no Brasil, a partir da iniciativa do Estado, realizou a “modernização” tecnológica do sistema de mediações e midiatizações no espaço público nacional ao mesmo tempo que “desmodernizou” a política. Essa estrutura se mantém no telespaço público brasileiro, já que a organização da cultura promovida então pouco se alterou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugênio Bucci, Universidade de São Paulo, Brasil.

Professor associado (livre-docente) da Escola de Comunicações de Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). 

Referências

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica (Primeira versão). In: ______. Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e política – ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 165-196. Volume 1.

BUCCI, E. Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. 2002. 299 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

BUCCI, E. Em torno da instância da imagem ao vivo. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 65-79, 2009. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/38241/41024>. Acesso em: 18 jan. 2017.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DINES, A. (Org.). 200 anos do Correio Braziliense. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008.

GOMES, L. 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2007.

HABERMAS, J. Between facts and norms: contributions to a discourse theory of law and democracy. Cambridge, MA: MIT Press, 1996.

IANNI, O. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

MILANESI, L. O que é biblioteca. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SCHWARCZ, L. M.; COSTA, A. M.; AZEVEDO, P. C. A longa viagem da biblioteca dos reis: do terremoto de Lisboa à independência do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

VIRILIO, P. A imagem virtual mental e instrumental. In: PARENTE, A. (Org.). Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996. p. 127-132.

Publicado
2016-12-17
Como Citar
BUCCI, E. Televisão brasileira e ditadura militar: tudo a ver com o que está aí até hoje. RuMoRes, v. 10, n. 20, p. 172-193, 17 dez. 2016.
Seção
Artigos