E se Aristóteles usasse o Facebook? Uma genealogia da amizade

  • Alex Primo Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil.
Palavras-chave: tecnologias digitais, amizade, redes sociais

Resumo

O debate sobre o impacto das tecnologias digitais nos processos amistosos está em todos os lugares: desde a imprensa às mesas de bar. No entanto, muitas dessas reflexões adotam um tom excessivamente apaixonado, culminando em defesas deslumbradas ou em temores neoluditas. Para que se possa empreender um estudo sério sobre a amizade na era digital, não se pode limitar a discussão ao domínio da técnica, tampouco a conferir se todos os quesitos de um ideal de amizade estão presentes. É preciso, isso sim, observar a complexidade de nosso tempo, no seio do qual as práticas amistosas acontecem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Primo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil.
Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Possui doutorado em Informática na Educação (UFRGS) e mestrado em Jornalismo (Ball State University). Coordena o Laboratório de Interação Mediada por Computador (LIMC) e o grupo de pesquisa em interação mediada por computador.

Referências

A AMIZADE Facebook. Entrevista com Zygmunt Bauman. Entrevistado por Fernando Schüler e Mário Mazzilli. 2011. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=5Lm2O3Q56Wg>. Acesso em: 15 fev. 2016.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Bauru: Edipro, 2009.

AYMARD, M. Amizade e convivialidade. In: ARIÈS, P.; CHARTIER, R. (Eds.). História da vida privada: da renascença ao século das luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 439-481. Volume 3.

BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BOYD, D.; ELLISON, N. B. Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer Mediated Communication, Malden, v. 13, n. 1, p. 210-230, 2007.

BRUM, E. Exaustos-e-correndo-e-dopados. El País, Madri, 4 jul. 2016.

CÍCERO. Sobre a amizade. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.

DERESIEWICZ, W. Faux friendship. The Chronicle of Higher Education, Washington, 6 dez. 2009.

DERRIDA, J. The politics of friendship. London: Verso, 2005.

ELISSON, N. B. et al. With a little help from my friends: how social network sites affect social capital processes. In: PAPACHARISSI, Z. (Ed.). A networked self: identity, community and culture on social network sites. New York: Routledge, 2011. p. 124-145.

FISCHER, C. S. Still connected: family and friends in America since 1970. New York: Russell Sage Foundation, 2011.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GERGEN, K. J. The saturated self: dilemmas of identity in contemporary life. New York: Basic Books, 2000.

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor-network-theory. New York: Oxford University Press, 2005.

MONTAIGNE, M. Sobre a amizade. Rio de Janeiro: Tinta Negra, 2012.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

______. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ORTEGA, F. Genealogias da amizade. São Paulo: Iluminuras, 2002.

PRIMO, A. Industrialização da amizade e a economia do curtir: estratégias de monetização em sites de redes sociais. In: BALDI, V.; OLIVEIRA, L. (Orgs.). A insustentável leveza da web: retóricas, dissonâncias e práticas na sociedade em rede. Salvador: EDUFBA, 2014, p. 109-130.

PRIMO, A. et al. Conversações fluidas na cibercultura. In: ENCONTRO DA COMPÓS – Grupo de Trabalho Comunicação e Cibercultura, 25., 2016, Goiânia. Anais… Belo Horizonte: Compós, 2016.

PUTNAM, R. D. Bowling alone: the collapse and revival of American community. New York: Simon & Schuster Paperbacks, 2000.

TURKLE, S. Alone together: why we expect more from technology and less from each other. New York: Basic Books, 2011.

______. Reclaiming conversation: the power of talk in a digital age. New York: Penguin Press, 2015.

WANG, H.; WELLMAN, B. Social connectivity in America: changes in adult friendship network size from 2002 to 2007. American Behavioral Scientist, Sedona, v. 53, n. 8, p. 1148-1169, 2010.

Publicado
2016-12-17
Como Citar
PRIMO, A. E se Aristóteles usasse o Facebook? Uma genealogia da amizade. RuMoRes, v. 10, n. 20, p. 46-67, 17 dez. 2016.
Seção
Dossiê