A arte do remix: uma anarqueologia dos processos de criação em mídias digitais

  • Lúcia Leão Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Brasil.
Palavras-chave: teorias da imagem, mídias digitais, processos de criação nas mídias, remix

Resumo

As mídias digitais, os bancos de dados e a lógica do software povoam a cultura contemporânea. Nesse cenário, procedimentos específicos de criação e produção de linguagem emergem nas redes. Compreendido enquanto ato de editar fragmentos de materiais pré-existentes com o objetivo de gerar novas obras, o remix é uma prática característica da cultura digital. Este artigo inicia com uma revisão crítica a respeito da discussão sobre o remix na cultura digital (Lessig, Manovich, Navas); em seguida, discute o remix como procedimento criativo nas diferentes mídias e como escolha estética na produção de imagem e imaginário midiáticos. A colagem segundo a visão de Max Ernst é revisitada para traçar paralelos com os processos de acoplamentos do remix. Para pensar o remix enquanto linguagem, realizamos dois estudos de caso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Leão, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Brasil.

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É autora de vários livros, entre eles: O labirinto da hipermídia e O chip e o caleidoscópio. Tem pós-doutorado em Artes pela Unicamp e doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Referências

AMERIKA, M. Escrita no ciberespaço: notas sobre narrativa nômade, net arte e prática de estilo de vida. In: LEÃO, L. (Org.). O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Senac, 2005. p. 133-146.

BIRTH of a nation. Direção: D. W. Griffith. New York: Kino Lorber, 1915. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=I3kmVgQHIEY>. Acesso em: 19 jan. 2017.

DJ SPOOKY. Rebirth of a Nation. 2004. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=3ljIq0lz0qY>. Acesso em: 19 jan. 2017.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução a arquetipologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ERNST, M. Qual é o mecanismo da colagem? In: CHIPP, H. B. (Org.). Teorias da arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 432-433.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

GUNKEL, D. J. Of remixology: ethics and aesthetics after remix. Cambridge: MIT Press, 2016.

JANIS, H.; BLESH, R. Collage: personalities, concepts, technique. Philadelphia: Chilton Co., 1967.

KRAUSS, R. E. The optical unconscious. Cambridge: MIT Press, 1994.

LEÃO, L. Paradigmas dos processos de criação em mídias digitais: uma cartografia. V!RUS, São Carlos, n. 6, 2011. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus06/?sec=3&item=1〈=pt>. Acesso em: 15 ago. 2016.

LAS MENINAS. Direção: Juan Downey. New York: MoMA. 1975. 20 min.

LESSIG, L. Remix: making art and commerce thrive in the hybrid economy. New York: Penguin Press, 2008.

MANOVICH, L. What comes after Remix? 2007. Disponível em: <http://manovich.net/content/04-projects/057-what-comes-after-remix/54_article_2007.pdf>. Acesso em: 11 jan. 2017.

MILLER, P. D. Rhythm science. Cambridge: Mediawork/MIT Press, 2004.

______. Sound unbound: sampling digital music and culture. Cambridge: MIT Press, 2008.

MUNIZ, V. Pictures of junk. Série de fotografias. Acesso em: <http://vikmuniz.net/gallery/junk>. Acesso em: 19 jan. 2017.

______. Narciso, depois de Caravaggio. Impressão a cores cromogênica. 2005. Disponível em: <http://warburg.chaa-unicamp.com.br/obras/view/3963>. Acesso em: 19 jan. 2017.

MUSEU PICASSO. Forgetting Velázquez. Las Meninas. 2008. Disponível em: <http://www.museupicasso.bcn.cat/meninas/Forgetting_Velazquez_Las_Meninas.pdf>. Acesso em: 19 jan. 2017.

NAVAS, E. The three basic forms of remix: a point of entry. 2007. Disponível em: <http://www.remixtheory.net/?p=174>. Acesso em: 17 ago. 2016.

OWENS, C. The allegorical impulse: towards a theory of postmodernism. In: WALLIS, B. (Ed.). Art after modernism: rethinking representation. New York: New Museum of Contemporary Art, 1984.

PICASSO, P. Les ménines. 1957. Série de 58 pinturas.

______. O rapto das sabinas. 1962. Óleo sobre tela.

POUSSIN, N. O rapto das sabinas. 1637-1638. Óleo sobre tela.

PLAZA, J. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 1987.

SPIES, W. Max Ernst collages: the invention of the surrealist universe. Tradução de John William Gabriel. New York: Abrams, 1991.

SODERBERG, J. Read my lips. 2002. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=g6-NDTWM8VE>. Acesso em: 19 jan. 2017.

STRUTH, T. Las meninas by Velásquez (Prado). 2005. Fotografia. Disponível em: <http://www.npr.org/2016/10/31/499443750/photography-writ-large-the-monumental-art-of-thomas-struth>. Acesso em: 19 jan. 2017.

VEGA, H. B. Double éclairage sur occident, Velázquez et Picasso. 1987. Óleo sobre tela.

VELÁZQUEZ, D. Las meninas. 1656. Óleo sobre tela.

WARLICK, M. E. Max Ernst and alchemy: a magician in search of myth. Austin: University of Texas Press, 2001.

ZIELINSKI, S. Arqueologia da mídia: em busca do tempo remoto das técnicas do ver e do ouvir. São Paulo: AnnaBlume, 2006.

Publicado
2016-12-17
Como Citar
LEÃO, L. A arte do remix: uma anarqueologia dos processos de criação em mídias digitais. RuMoRes, v. 10, n. 20, p. 26-45, 17 dez. 2016.
Seção
Dossiê