O cinema enquanto locus dialógico

Ressignificações entre Tudo sobre minha mãe (1999) e A malvada (1950)

  • Marcelo de Lima Universidade Federal da Paraíba
  • Luiz Antonio Mousinho Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Dialogismo, análise fílmica, Tudo sobre minha mãe, A Malvada

Resumo

Utilizando principalmente o conceito de dialogismo, aplicado ao estudo de narrativas cinematográficas (BAKHTIN, 2003; STAM, 1992), procuramos verificar as relações dialógicas construídas nos filmes Tudo sobre minha mãe (1999), de Pedro Almodóvar, e A malvada (1950), de Joseph Mankiewicz. Consideramos que as obras são detentoras de discursos socialmente localizados e que traduzem intenções ideológicas específicas, revelando as conexões existentes entre ficção e sociedade. Nosso interesse recai, portanto, sobre a forma como esse diálogo é constituído entre os textos fílmicos e como ele serve à ressignificação e recontextualização de temas e significados – como, por exemplo, a representação da mulher e da feminilidade –, deixando claro o papel do cinema enquanto produtor de vozes dissonantes, contraditórias e representativas de determinados contextos históricos e posições sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Lima, Universidade Federal da Paraíba

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Membro do Grupo de Pesquisa Sobre Ficção e Produção de Sentido.

Luiz Antonio Mousinho, Universidade Federal da Paraíba

Professor Associado IV do Departamento de Comunicação e da Pós-graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Desenvolve pesquisa junto ao CNPq (PQ) sobre análise e recepção de ficção audiovisual. Coordena o Grupo de Pesquisa Sobre Ficção e Produção de Sentido.

Referências

A MALVADA. Direção: Joseph Mankiewicz. Los Angeles: Twentieth Century Fox, 1950. 1 vídeo (138 min). Cópia digital.
BAKHTIN, M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. São Paulo: Editora 34, 2017.
BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2002. Disponível em: https://bit.ly/1U9qckv. Acesso em: 25 fev. 2018.
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. Disponível em: https://bit.ly/25odKss. Acesso em: 14 fev. 2018.
BAKHTIN, M. Problemas na poética de Dostoiévski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Disponível em: https://bit.ly/20H9AW5. Acesso em: 25 fev. 2018.
CANDIDO, A. A personagem do romance. In: CANDIDO, A. et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002. p. 51-80.
CIXOUS, H. O riso da medusa. In: BRANDÃO, I. et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: Edufal; EdUFSC, 2017. p. 129-155.
CHEVALIER, J. (Org). Diccionario de los símbolos. Barcelona: Herder, 1986.
CORBER, R. Cold War Femme: lesbianism, national identity, and Hollywood cinema. Durham: Duke University Press, 2011.
CORBER, R. Cold War femme: lesbian visibility in Joseph L. Mankiewicz's All about Eve. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, Durham, v. 11, n. 1, p. 1-22, 2005.
GOLIOT-LÉTÉ, A.; VANOYE, F. Ensaio sobre análise fílmica. Campinas: Papirus, 2002.
KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 2005.
ROSENFELD, A. Literatura e personagem. In: CANDIDO, A. et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002. p. 11-49.
SHOHAT, E; STAM, R. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
STAM, R. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 1992.
SANT’ANNA, A. R. Paródia, paráfrase e companhia. São Paulo: Ática, 1995.
TUDO sobre minha mãe. Direção: Pedro Almodóvar. Madri: El Deseo, 1999. 1 vídeo (104 min). Cópia digital.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
LIMA, M.; MOUSINHO, L. A. O cinema enquanto locus dialógico. RuMoRes, v. 13, n. 25, p. 236-257, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos