A crítica e o novo

o semblante melancólico em Alucinação, de Belchior

  • Cláudio Rodrigues Coração Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Crítica, melancolia, Alucinação, Belchior, temporalidade

Resumo

O modo de encarar a nostalgia e o antagonismo projetado pelos artistas envolvidos no tropicalismo parecem ser as premissas principais em torno do álbum Alucinação (1976), do cantor e compositor Belchior. A articulação temática e estética do disco imprime, além disso, uma espécie de reflexão crítica interna sobre os movimentos contraculturais na música popular brasileira dos anos 1970. Pretendemos, a partir disso, identificar aspectos de uma certa melancolia nessa produção, por meio dos aportes teóricos sobre a crítica cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Rodrigues Coração, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor adjunto do curso de jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). Doutor em Comunicação: Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP. Mestre em Comunicação pela Unesp.

Referências

ALUCINAÇÃO. Belchior. São Paulo: Philips, 1976. 1 CD (37 min).
BADIOU, A. Em busca do real perdido. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
BARBOSA, A. A. A potência estética da nostalgia. Revista Serrote, São Paulo, n. 16, p. 1-5, 2014.
CASTRO, C. M. Ruptura e utopia: entre Benjamin e a contracultura. In: ALMEIDA, M. I. M.; NAVES, S. C. Por que não? Rupturas e continuidades da contracultura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.
KEHL, M. R. O tempo e o cão. São Paulo: Boitempo, 2009.
MOREIRA, R. F. Um sem-lugar em Belchior: a escuta de “Alucinação”. 2015. Dissertação (Mestrado em Teorias da Literatura e Representações Culturais) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.
NOVAES, A. Intelectuais em tempos de incerteza. In: ______. O silêncio dos intelectuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
REVISTA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA. Que caminhos seguir na música popular brasileira? Rio de Janeiro, n. 2, maio 1966.
SANCHES, P. A. Como dois e dois são cinco. São Paulo: Boitempo, 2004.
TEIXEIRA CARLOS, J. Fosse um Chico, um Gil, um Caetano: uma análise retórico-discursiva das relações polêmicas na construção da identidade do cancionista Belchior. 2014. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
CORAÇÃO, C. A crítica e o novo. RuMoRes, v. 13, n. 25, p. 32-49, 13 jun. 2019.
Seção
Dossiê