Aspectos pedagógicos e teológicos do empreendedorismo

profanações do “Livro da Vida”

  • Vander Casaqui Universidade Metodista de São Paulo
Palavras-chave: Comunicação e discurso, cultura da inspiração, pedagogia empreendedora, autoajuda, teologia do empreendedorismo

Resumo

Este trabalho discute, em perspectiva crítica, as relações entre a pedagogia e a teologia do empreendedorismo no âmbito do que denominamos cultura da inspiração. Analisamos, à luz da perspectiva da profanação de Giorgio Agamben e da análise do discurso social, a proposta didática de The School of Life. Nosso objeto principal é The Book of Life, a Bíblia da escola que une em sua retórica a pedagogia empreendedora, a autoajuda e o discurso religioso aplicado ao capitalismo, sintetizados na convocação de sua audiência para o empreendimento de si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vander Casaqui, Universidade Metodista de São Paulo

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo (PósCom UMESP). Doutor em Ciências da Comunicação pela USP, com Pós-Doutorado pela Universidade Nova de Lisboa.

Referências

AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.
AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.
ANGENOT, M. El discurso social: los límites históricos de lo pensable y lo decible. Buenos Aires: Siglo XXI, 2010.
BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
BENJAMIN, W. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.
BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, È. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.
BUONANNO, M. Histórias de vida exemplares. Biografias. MATRIZes, São Paulo, ano 5, n. 1, p. 63-84, 2011.
DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.
DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Cengage Learning, 2011.
EHRENBERG, A. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Idéias & Letras, 2010.
FOUCAULT, M. Birth of biopolitics. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2008.
GALLO, C. TED: falar, convencer, emocionar: como se apresentar para grandes plateias. São Paulo: Saraiva, 2014.
GALLOUJ, F. “Inspiration Economy”: a new journal. Journal of Inspiration Economy, Bahrein, vol. 1, n. 1, p. 4-9, set. 2014.
HAN, B. -C. La sociedad de la transparencia. Herder Editorial: Barcelona, 2013.
HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Versão 1.0. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. 1 CD-ROM.
ILLOUZ, E. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
MARÍN-DÍAZ, D. L. Autoajuda, educação e práticas de si: genealogia de uma antropotécnica. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
MOUFFE, C. Sobre o político. São Paulo: Martins Fontes, 2015.
OS VELHOS e os novos pecados | Leandro Karnal. 45’31”. Café Filosófico CPFL. YouTube. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2KAeAyL. Acesso em: 3 mar. 2019.
PELBART, P. P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.
PESCE, B. A menina do vale: como o empreendedorismo pode mudar sua vida. São Paulo: Enkla, 2015.
PRADO, J. L. A. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: Educ; Fapesp, 2013.
PRADO, J. L. A.; PRATES, V. (org.). Sintoma e fantasia no capitalismo comunicacional. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.
SAFATLE, V. O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
SENNETT, R. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2007.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
CASAQUI, V. Aspectos pedagógicos e teológicos do empreendedorismo. RuMoRes, v. 13, n. 25, p. 127-146, 13 jun. 2019.
Seção
Dossiê