Bela, recatada e do bar

memes de internet, política e gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.163686

Palavras-chave:

Feminismo, Memes da internet, Democracia

Resumo

Neste artigo, a partir da observação das reações nos sites de redes sociais à reportagem publicada pela Veja, em 18 de abril de 2016, intitulada “Bela, recatada e do lar”, interessa-nos compreender como as internautas operacionalizaram crítica ironizando os adjetivos empregados para qualificar Marcela Temer. As cenas discursivas, construídas pelas mulheres que acionam a tríade de palavras da manchete, mobilizam questões caras ao feminismo, como o debate sobre a relação público/ privado e horizontes em que a autonomia e autodeterminação das mulheres se constroem. Para testar essa hipótese, foram coletadas e analisadas imagens publicadas no Tumblr.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayza Sarmento, Universidade Federal de Viçosa

Professora adjunta da Universidade Federal de Viçosa. Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Viktor Chagas, Universidade Federal Fluminense

Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Membro associado do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD). Doutor em História, Política e Bens Culturais (Cpdoc/FGV), com estágio pós-doutoral com bolsa CNPq de Pós-Doutorado Jr. pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ALDÉ, A. O internauta casual: notas sobre a circulação da opinião política na internet. Revista USP, São Paulo, n. 90, p. 27-41, 2011.

ALVAREZ, S. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 13-56, 2014.

BANET-WEISER, S.; MILTNER, K. #MasculinitySoFragile: culture, structure, and networked misogyny. Feminist Media Studies, Londres, v. 16, n. 1, p. 171-174, 2016.

BEASLEY, M. Looking Ahead. In: BEASLEY, M. First ladies and the press: the unfinished partnership of the media age. Evanston: Northwestern University Press, 2005. p. 237-258.

BENNETT, W. L. When politics becomes play. Political Behavior, Berlim, v. 1, n. 4, p. 331-359, 1979.

BENNETT, W. L.; SEGERBERG, A. The logic of connective action. Information, Communication & Society, Londres, v. 15, n. 5, p. 739-768, 2012.

BERGER, A. A. An anatomy of humor. Nova Jersey: Transaction Publishers, 2012.

BIROLI, F. Autonomia e desigualdade de gênero: contribuições do feminismo para a crítica democrática. Vinhedo: Horizonte, 2013.

BIROLI, F. Família: novos conceitos. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2014.

CARNEY, N. All Lives Matter, but so does race: Black Lives Matter and the evolving role of social media. Humanity & Society, Thousand Oaks, v. 40, n. 2, p. 180-199, 2016.

CHAGAS, V.; FREIRE, F.; RIOS, D.; MAGALHÃES, D. A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo de memes dos debates eleitorais de 2014. Intexto, n. 38, p. 173-196, 2017.

CHAGAS, V.; TOTH, J. Monitorando memes em mídias sociais. In: SILVA, T.; STABILE, M. (orgs.). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

DAWKINS, R. The selfish gene. Oxford: Oxford University Press, 1976.

EDWARDS, J.; CHEN, H. R. The first lady/first wife in editorial cartoons: rhetorical visions through gendered lenses. Women’s Studies in Communication, Boulder, v. 23, n. 3, p. 367-391, 2000.

FINNEMAN, T.; THOMAS, R. First ladies in permanent conjuncture: grace coolidge and “great” American womanhood in the New York Times. Women’s Studies in Communication, Boulder, v. 37, n. 2, p. 220-236. 2014.

GOMES, C.; SORJ, B. Corpo, geração e identidade: a Marcha das Vadias no Brasil. Revista Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 29, n. 2, p. 433-447, 2014.

HEILBORN, M. L. Corpo, sexualidade e gênero. In: DORA, D. D. (org.). Feminino masculino: igualdade e diferença na justiça. Porto Alegre: Sulina, 1997. p. 47-57.

HOPKE, J. Hashtagging politics: transnational Anti-Fracking Movement Twitter practices. Social Media + Society, Thousand Oaks, v. 1, n. 2, p. 1-12, 2015.

LAURO, I. Blackout Day: um estudo sobre novas formas de engajamento online. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Estudos de Mídia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, 2016.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

MOSS, R. #FeministsAreUgly – women take selfies to prove feminists can be hot, but aren’t they missing the point? Huffington Post, Nova York, 8 ago. 2014. Disponível em: http://bit.ly/2qg0Q29. Acesso em: 30 abr. 2017.

OKIN, Susan. Justice, gender, and family. Nova York: Basic Books, 1989.

PAPACHARISSI, Z.; OLIVEIRA, M. F. Affective news and networked publics: the rhythms of news storytelling on #Egypt. Journal of Communication, Oxford, v. 62, n. 2, p. 266-282, 2012.

PATEMAN, C. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

PHILLIPS, W. A casa que a Fox construiu: Anonymous, espetáculo e ciclos de amplificação. In: CHAGAS, V. A cultura dos memes: aspectos sociológicos e dimensões políticas de um fenômeno do mundo digital. Salvador: Edufba, 2020.

PINTO, C. Uma História do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

RENTSCHLER, C.; THRIFT, S. Doing feminism in the network: networked laughter and the ‘Binders Full of Women’ meme. Feminist Theory, Thousand Oaks, v. 16, n. 3, p. 329-359, 2015.

ROSS, K. Women, politics, media: uneasy relations in comparative perspectives. Nova York: Hampton Press, 2002.

SANDVOSS, C. Toward an understanding of political enthusiasm as media fandom: blogging, fan productivity and affect in American politics. Participations, Newcastle, v. 10, n. 1, p. 252-296, 2013.

SARMENTO, R. Das sufragistas às ativistas 2.0: feminismo, mídia e política no Brasil (1921 a 2016). 2017. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

SCHARRER, E.; BISSELL, K. Overcoming traditional boundaries. Women, Politics & Policy, Londres, v. 21, n. 1, p. 55-83, 2000.

SHIFMAN, L. An anatomy of a YouTube meme. New Media & Society, Thousand Oaks, v. 14, n. 2, p. 187-203, 2012.

SHIFMAN, L. Memes in digital culture. Cambridge: MIT Press, 2014.

SOSA-ABELLA, M.; REYES, R. Political humor in comic strips: a comparative analysis between Oriental and Occidental approaches. International Journal of Cultural Studies, Thousand Oaks, v. 18, n. 2, p. 243-259, 2014.

TAY, G. Binders full of LOLitics: political humour, internet memes, and play in the 2012 US Presidential Election (and Beyond). European Journal of Humour Research, Krakow, v. 2, n. 4, p. 46-73, 2014.

TAY, G. Embracing LOLitics: popular culture, online political humor, and play. 2012. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – University of Canterburry, Chrischurch, 2012.

TEMPLIN, C. Hillary Clinton as threat to gender norms: cartoon images of the first lady. Journal of Communication Inquiry, Thousand Oaks, v. 23, n. 1, p. 20-36, 1999.

WATSON, R. Incorporating the first ladies into the classroom. The Social Studies, Filadélfia, v. 89, n. 4, p. 165-170, 1998.

YOUNG, I. Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press, 1990.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

SARMENTO, R.; CHAGAS, V. Bela, recatada e do bar: memes de internet, política e gênero. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 27, p. 124-149, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.163686. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/163686. Acesso em: 25 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê