As cinzas de Beuys em Bellatin e o ritual da lebre morta: articulações do humano e do animal pela linguagem artística

  • Isabel Jasinski Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Literatura hispano-americana, Arte contemporânea, Mario Bellatin, Joseph Beuys

Resumo

As vivências da arte contemporânea muitas vezes se produzem em espaços de relação e desvio. Nessa perspectiva, a literatura pode ser lida a partir de múltiplos processos que se contaminam. Este artigo trata dos principais aspectos do livro Lecciones para una liebre muerta de Mario Bellatin e da performance “Como explicar quadros a uma lebre morta” de Joseph Beuys para considerar a concepção de arte que está no substrato dos processos colocados em jogo em ambas obras. A imagem da performance de Beuys em Lecciones para uma liebre muerta é imprevisibilidade que se metamorfoseia, Beuys é vestígio na obra de Bellatin, não é apropriação nem demanda correspondência. Ela aprimora a fissura no interior do conhecimento, se manifesta como “signo secreto” que não objetiva esclarecer por meio da lógica de equivalência. O caráter pedagógico das “lições” não propicia o ensinamento em uma relação hierárquica, porém evidencia um apelo ao aprendizado que a arte propicia enquanto expansão das percepções sensitivas do ser humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Jasinski, Universidade Federal do Paraná

Isabel Jasinski é professora de Literaturas Hispânicas em Letras da UFPR. Publicou A condição de estrangeiro: literatura e exílio em Francisco Ayala (2012) e organizou a coletânea Literaturas em trânsito, teorias peregrinas (2015). Desde 2016 desenvolve sua pesquisa atual, que resultou no festival literário “Zoona II - Américas transitivas” em 2017, do qual é uma das idealizadoras. Nesse ano, publicou Américas transitivas e as redes do literário. Em 2018, saiu “Deslocamento e dissimulação em Un poquito tarada de Dani Umpi”, no e-book Textualidades transamericanas e transatlânticas.  

Referências

Bellatin, Mario. Lecciones para una liebre muerta. Barcelona: Anagrama, 2005.
Bellatin, Mario. “Aquí el texto; allí, la realidad”. [Entrevista concedida a] Lolita Bosh. In: Qué leer, p.190, p.62-65, 2013.
Bellatin, Mario. Obra Reunida 2. México DF: Alfaguara, 2014.
Beuys, Joseph. Como explicar imagens para uma lebre morta (entrevista). [S. l.]: Club 2, 27 jan. 1983. 1 vídeo (14 min). Publicado pelo canal Clarissa Campello. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?time_continue=117&v=t0Rz 8EcAeg8. Acesso em: 8 set. 2018.
Borer, Alain. Joseph Beuys. Tradução Betina Bischof. São Paulo: Cosac Naify, 2001.
Chagas, Pedro Dolabela. 1970: arte e pensamento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.
Colares, Mauricio. “Una liebre muerta: Mario Bellatin y Joseph Beuys”. [201-]. Disponível em: https://www.academia.edu/29202796/Una_liebre_muerta_Mario_Bellatin_y_Joseph_Beuys. Acesso em: 12 set. 2018.
Didi-Huberman, Georges. O que vemos, o que nos olha. Tradução Paulo Neves. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.
Didi-Huberman, Georges. A imagem queima. Tradução Helano Ribeiro. Curitiba: Medusa, 2018.
Hoyos, Héctor. “On Duchamp and Beuys as Latin American writers”. In: Hoyos, Héctor. Beyond Bolaño: the global Latin American novel. Nova Iorque: Columbia University Press, 2015, p.157-188.
Leitner, Claudia. “De Macondo a McOndo: cuerpos extraordinarios, genética y elocuencia de la enfermedad en la narrativa de Fernando Vallejo, Margo Glantz y Mario Bellatin”. In: Gronneman, Cornelia Sieber (org.). Cuerpos extra/ordinarios: discursos y prácticas somáticas en América Latina. Barcelona: Linkgua, 2017, p.309-346.
Maciel, Pedro. “A arte como destino do ser”. In: Digestivo cultural. 20 maio 2002. Disponível em: https://www.digestivocultural.com/ensaios/ensaio.asp?codigo=8&titulo=A_arte_como_destino_do_ser. Acesso em: 13 set. 2018.
Nancy, Jean-Luc. El sentido del mundo. Tradução Jorge Manuel Casas. Buenos Aires: La marca, 2003.
Rosenthal, Dália. “Joseph Beuys: o elemento material como agente social”. In: Ars, 9-18, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-53202011000200008#1a. Acesso em: 12 set. 2018.
Warburg, Aby. El ritual de la serpiente. Tradução Joaquín Etorena Homaeche. México: Sexto Piso, 2004.
Publicado
2019-06-19
Como Citar
Jasinski, I. (2019). As cinzas de Beuys em Bellatin e o ritual da lebre morta: articulações do humano e do animal pela linguagem artística. Caracol, (17), 137-169. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i17p137-169