A democratização da capacidade de olhar: Sobre a crítica fotográfica de Juan José Millás

  • Constanza Lucía Tanner

Resumo

O trabalho do escritor valenciano Juan José Millás exibe um interesse de base, misturando ferramentas e temas típicos de dois campos tradicionalmente diferenciados: literatura e jornalismo. Nos textos que compõem Todo son preguntas (2005) e El ojo de la cerradura (2006), Millás avança outro passo, vinculando ao seu trabalho como escritor a reflexão sobre o ramo não verbal da linguagem. Para isso, ele apelará, ao mesmo tempo, ao próprio registro do escritor de ficção, do colunista de jornal e do crítico de fotografia amador, para expor as impressões que geraram uma série de imagens publicadas no jornal El País. Dado que essas imagens exibem sua própria mensagem, independentemente de haver ou não uma linguagem verbal que "explique", Millás não pôde assegurar que os espectadores interpretaram as fotografias de uma maneira particular de sua intervenção como escritor; sua opção será, em vez disso, chamar a atenção dos leitores, oferecendo-lhes as ferramentas para aprimorar uma visão crítica pessoal, uma capacidade de julgamento separada da ideologia dominante.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-06-19
Como Citar
Tanner, C. (2019). A democratização da capacidade de olhar: Sobre a crítica fotográfica de Juan José Millás. Caracol, (17), 259-283. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i17p259-283