Família como interlocutora do projeto musical dos filhos: um estudo a partir da socialização musical de crianças e jovens em uma orquestra

  • Adriana Bozzetto Universidade Federal do Pampa
Palavras-chave: Famílias, Projeto educativo, Socialização, Formação musical em orquestra.

Resumo

O presente trabalho, construído a partir de minha pesquisa de Doutorado, tem como objetivo revelar, compreender e discutir socializações musicais contemporâneas de crianças e jovens que aprendem música no contexto de uma orquestra, tendo como foco o projeto educativo, as expectativas e concepções de suas famílias em relação à aprendizagem musical desenvolvida na orquestra da qual participam. A referida orquestra iniciou como uma proposta de inserção social através da música, em um edital público de processo seletivo ao ingresso do aluno e permanência no grupo. No primeiro edital, houve a inscrição de mais de 1200 crianças e adolescentes a partir da qual a primeira turma de alunos foi formada, foco do presente estudo. Suas famílias são pertencentes aos meios populares e residem em bairros distantes do centro da cidade de Porto Alegre, RS, onde as aulas de instrumento e os ensaios da orquestra são realizados. O estudo foi construído a partir dos depoimentos orais de 27 famílias e dos 28 alunos participantes da orquestra na perspectiva qualitativa, apoiado nos trabalhos de Lahire, Bourdieu, Gayet, Papadopoulos e Setton. Ao longo do estudo, foi possível compreender que, ao mesmo tempo em que os jovens aprendem música e convivem no âmbito do universo erudito legitimado pela orquestra, possuem outras referências musicais e desenvolvem práticas culturais que encontram-se no universo do popular. Contudo, as socializações marcadas tanto no espaço da família quanto no espaço da orquestra mostram que as escolhas musicais dos alunos e suas práticas culturais não estão dissociadas de outras socializações. Além disso, os resultados apontam que o ambiente musical de origem, construído nas experiências cotidianas familiares em interação com outras instâncias de socialização, não foi abandonado pelos atores sociais dessa pesquisa ao longo de sua formação musical na orquestra. Encontram brechas para uma mistura contemporânea de estilos e vivências musicais, em que cada espaço seleciona e opina sobre o que se pode ouvir, e o que se pode tocar. A pesquisa possibilitou compreender que a família exerce um papel ativo como interlocutora do projeto de seus filhos em aprender música. São famílias que se desdobram e se dedicam para que os filhos possam continuar participando da orquestra, um espaço de formação musical que está focado na formação de futuros músicos profissionais. Oriundas dos meios populares, desenvolvem um trabalho pedagógico por vezes difuso e velado, e desejam ver os filhos felizes no que eles optarem profissionalmente. Nessa direção, os alunos que estão no grupo também ali permanecem por uma forte mobilização familiar, que trabalha em paralelo à socialização musical desenvolvida intensivamente na orquestra. A pesquisa edificou um novo modo perceptivo de conceber a família enquanto instituição em formação e formadora. Os resultados contribuem para uma reflexão crítica sobre o projeto educativo de pais, suas expectativas em relação à educação musical dos filhos e como o núcleo familiar reconfigura-se a partir de projetos musicais dessa natureza. Consequentemente, a pesquisa colabora para uma compreensão do impacto que projetos sociais na área de música têm sobre as famílias envolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Bozzetto, Universidade Federal do Pampa
Doutora em Música: Educação Musical pelo Programa de Pós-Graduação em Música da UFRGS (2012). Professora e coordenadora do Curso de Licenciatura em Música da Universidade Federal do Pampa/UNIPAMPA
Publicado
2016-07-26
Como Citar
Bozzetto, A. (2016). Família como interlocutora do projeto musical dos filhos: um estudo a partir da socialização musical de crianças e jovens em uma orquestra. Cadernos CERU, 27(1), 51-65. Recuperado de http://www.periodicos.usp.br/ceru/article/view/117712
Seção
Dossiê Amazônia