Língua Estrangeira como Instrumento de Poder

  • Olga Alejandra Mordente Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Letras Modernas. Área de Língua e Literatura Italiana

Resumo

Neste artigo demonstramos o grande poder exercido pela língua, uma vez que ela, através de diálogos ou textos didáticos usados no ensino de uma língua estrangeira, pode ocultar ou explicitar a realidade, menosprezar ou prestigiar aqueles aos quais se dirige, sendo, assim, um instrumento de poder. Por isso, o professor deverá preocupar-se em ter uma visão crítica sobre o conteúdo que está sendo transmitido. Segundo Orlandi (1987), o discurso pedagógico, ou seja, o processo discursivo que se estabelece na sala de aula entre o leitor eo texto de língua estrangeira e sua interpretação, determina o “clima em sala de aula”, as leituras dos textos, as falas e suas circunstâncias. Concordamos com Orlandi quando afirma que o discurso pedagógico aparece como discurso de poder. Esse trabalho se baseia nos estudos de vários pesquisadores de universidades brasileiras, que contribuíram para a compreensão do discurso pedagógico como parte de uma teoria de construção do conhecimento.
Publicado
2009-12-30
Como Citar
Mordente, O. (2009). Língua Estrangeira como Instrumento de Poder. Revista De Italianística, (18), 13-23. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i18p13-23
Seção
Artigos