Umberto Eco, Jorge Luís Borges e uma Formulação Literária do Conceito de Intertextualidade

  • Marcelo Pacheco Soares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Resumo

A intertextualidade representa um fenômeno estético-literário que ocorre com assiduidade em toda a literatura moderna desde o Renascimento, movimento intertextual por definição. O presente artigo pretende investigar como as produções literárias do escritor e semiólogo italiano Umberto Eco e do argentino Jorge Luís Borges tecem, no século XX, teorias a respeito deste fenômeno, notadamente por meio da metáfora dos espelhos.

Biografia do Autor

Marcelo Pacheco Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
Marcelo Pacheco Soares é professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciênciae Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Mestre e Doutorando pela Universidade Federaldo Rio de Janeiro (UFRJ) e bolsista da Cátedra Jorge de Sena de Estudos Luso-Afro-Brasileiros(CJS), com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, de Lisboa.
Publicado
2010-12-30
Como Citar
Soares, M. (2010). Umberto Eco, Jorge Luís Borges e uma Formulação Literária do Conceito de Intertextualidade. Revista De Italianística, (19-20), 107-119. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i19-20p107-119
Seção
Artigos