Pensiero divergente e didattica dell’italiano LS

  • Paolo Torresan Università Ca’ Foscari

Resumo

Neste ensaio definimos a natureza do pensamento divergente e sua relação com um aspecto importante para a aprendizagem das línguas: a tolerância em relação à ambiguidade. Em segundo lugar, examinamos algumas estratégias que permitem ativar o pensamento divergente no ensino do italiano: a formulação di associações e hipóteses, a multiplicação dos pontos de vista, a transformação do input.

Biografia do Autor

Paolo Torresan, Università Ca’ Foscari
Desenvolveu atividades de formação e pesquisa na Università Ca’ Foscari de Veneza; foi Visiting Professor na UERJ, Visiting Scholar na Lancaster University (UK) e no Santa Monica College (California). É autor de Intelligenze e didattica delle lingue (Emi 2008); organizou com Manuela Derosas, Didacticas de las lenguasculturas. Nuevas Perspectivas (Sb International / Alma 2011). Junto com Roberta Ferencich publicou, para a Editora Alma, Giochi senza frontiere (2005). É responsável pela redação de Officina.it e Bollettino Itals.
Publicado
2011-12-30
Como Citar
Torresan, P. (2011). Pensiero divergente e didattica dell’italiano LS. Revista De Italianística, (21-22), 93-122. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i21-22p93-122
Seção
Artigos