A escrita como revelação do 'eu'

Autores

  • Isabel Roboredo Seara Universidade Aberta

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i1p73-89

Palavras-chave:

escrita, autobiografia, confidência, análise pragmática.

Resumo

No primeiro momento, passar-se-ão em revista alguns traços caracterizadores da escrita intimista, da exigência temporal ao processo de narração retrospectiva, do fragmentarismo à descontinuidade, da ambição recapitulativa ao risco do esquecimento. Em seguida, numa perspectiva pragmática, focalizaremos no ato de confidência desenhado, por excelência, no espaço de escrita autobiográfica. Esse ato, que estabelece a revelação do eu, visa e proclama concomitantemente a partilha comunicativa. A partir da análise dos vários textos representativos dos géneros textuais, mostraremos as marcas discursivas que caracterizam esta enunciação intimista e fragmentada, por um lado, e dialógica, por outro, concluindo da permeabilidade, da porosidade destes processos e evidenciando a dimensão compósita destas práticas de escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-03-27

Como Citar

Seara, I. R. (2018). A escrita como revelação do ’eu’. Linha D’Água, 31(1), 73-89. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i1p73-89

Edição

Seção

Artigos originais