Crítica, Providência e uso dos modos ficcionais no Quixote I'

  • Heloisa Pezza Cintrão Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Dom Quixote, Modos ficcionais, Formas ficcionais

Resumo

No Quixote I de Miguel de Cervantes convivem uma linha narrativa paródica de crítica aos livros de cavalaria e outra ilusionista, que resgata e reajusta convenções desses l ivros. Neste sentido, procura-se, nas sistematizações dos modos e formas ficcionais de Northrop Frye, bases teóricas para pensar a interação dessas duas linhas narrativas. A ficção concebida como instrumento de formação e de crítica social, a idéia de livre-arbítrio conjugada à presença da Providência divina no Mu ndo ficcional aparecem como chaves para entender a posição do Quixote I entre o romance e o romanesco e a relação de elementos da construção do texto com dados do contexto da Espanha da crise do Renascimento.

Biografia do Autor

Heloisa Pezza Cintrão, Universidade de São Paulo
Mestranda em Litera­tura Espanhola na USP.
Publicado
1995-12-06
Como Citar
Cintrão, H. (1995). Crítica, Providência e uso dos modos ficcionais no Quixote I’. Magma, (2), 45-52. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.1995.80743
Edição
Seção
Ensaios