Os coros musicais como lugar antropológico na sociedade ateniense no final do Séc. VI a.c. através da análise imagética de cerâmicas áticas

  • Felipe Nascimento de Araujo Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: coro, performance, cerâmica, isonomia, século VI a.C.

Resumo

Através de uma abordagem da antropologia social, baseada no conceito de lugar antropológico de Marc Augé, este artigo pretende estabelecer uma breve análise de como os coros musicais se relacionam com a ideia de cidadania ateniense que se construiu a partir da tirania até as reformas de Clístenes. Esse contexto histórico caracteriza-se pela instauração da isonomia – governo baseado na igualdade dos cidadãos perante a lei (nómos) – e tem como algumas de suas características principais a participação popular na boulé, nos festivais cívicos e na falange hoplita. A função dos coros musicais como componente de formação da cidadania ateniense teria se dado a partir de sua relação com a falange hoplita e de sua presença nos grandes festivais cívicos que ocorriam desde o período da tirania (560-510 a.C.). Encontramos evidências dessas relações na documentação imagética das cerâmicas áticas, exemplificadas neste artigo pelo skýphos de autoria de Heron

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Nascimento de Araujo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Publicado
2017-03-27
Como Citar
Araujo, F. (2017). Os coros musicais como lugar antropológico na sociedade ateniense no final do Séc. VI a.c. através da análise imagética de cerâmicas áticas. Mare Nostrum (São Paulo), 7(7), 99-119. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v7i7p99-119
Seção
Artigos