Uso de substâncias psicoativas em serviço de urgência em psiquiatria da infância e adolescência de Belo Horizonte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i4p342-349

Palavras-chave:

Transtornos relacionados ao uso de substâncias, Adolescente, Criança, Saúde mental

Resumo

Introdução: O uso de álcool, tabaco e drogas ilícitas por crianças e adolescentes é um problema de saúde pública que assume importância cada vez maior em todo o mundo. O aumento da prevalência do uso dessas substâncias foi acompanhado por maiores níveis de ansiedade, sintomas depressivos e outros transtornos psiquiátricos, além de aumento nas taxas de violência e mortalidade. Objetivo: Analisar a prevalência de atendimentos por uso de drogas em um Serviço de Urgência em Psiquiatria da Infância e Adolescência de Belo Horizonte, bem como determinar o perfil sociodemográfico desses pacientes. Metodologia: trata-se de estudo transversal realizado por meio de revisão de prontuários de pacientes que procuraram um serviço de urgência em saúde mental infantil durante o período de um ano. A análise comparativa das variáveis categóricas foi feita pelo teste qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher. Foi utilizado o teste t de Student de amostras independentes para a variável contínua. Resultados: Foram coletados dados de 2255 atendimentos. A prevalência do uso de substâncias psicoativas encontrada foi de 17,7% da amostra. A droga mais utilizada foi a maconha (14,1%), seguida por cocaína (7%), álcool (5,7%), tabaco (4,2%), solventes e inalantes (3,6%) e crack (1,7%). Foi observado maior consumo em homens, faixa etária 15-17 anos e etnia parda. Conclusão: Foi observada significativa prevalência no uso de drogas entre crianças e adolescentes. É possível presumir que a real prevalência seja maior, uma vez que se acredita que a porcentagem real de jovens que utilizam essas substâncias é maior que a parcela que chega ao serviço de urgência. Os resultados encontrados demonstram uma necessidade de reforçar estratégias de intervenções preventivas para essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bukstein O. Substance use disorder in adolescents: Epidemiology, pathogenesis, clinical manifestations, course, assessment, and diagnosis. UptoDate, 2019. Available from: https://www.uptodate.com/contents/substance-use-disorder-in-adolescents-epidemiology-pathogenesis-clinical-manifestations-and-consequences-course-assessment-and-diagnosis.

Vieira PC, Aerts DRGC, Freddo SL, Bittencourt A, Monteiro L. Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares em município do Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(11):2487-98. https://www.scielosp.org/article/csp/2008.v24n11/2487-2498/

Carlini ELA, Noto AR, Sanchez VDM, Carlini, CMA, Locatelli, DP, Abeid LR, et al. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. São Paulo: CEBRID; UNIFESP; 2010. Disponível em: https://www.cebrid.com.br/vi-levantamento-estudantes-2010/.

McArdle P. Use and misuse of drugs and alcohol in adolescence. BMJ. 2008;337(7660):46–50. doi: https://dx.doi.org/10.1136/bmj.a306.

United Nations Organizaton (UNO). Drugs crime and viollence: the microlevel impact. New York: UNO; 2004. p.11. Available from: https://www.incb.org/documents/Publications/AnnualReports/Thematic_chapters/English/AR_2003_E_Chapter_I.pdf.

Drummond EF, Souza HNF, Hang-Costa TA. Homicídios, álcool e drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2000-2009. Epidemiol. Serv Saúde (Brasília). 2015,24(4):607-16. doi: https://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000400003.

World Health Organization. Management of substance abuse. terminology & classification [cited 2020 March 22]. Available from: https://www.who.int/substance_abuse/terminology/psychoactive_substances/en/.

Garcia F. Manual de abordagem de dependências químicas. Belo Horizonte: Utopika Editorial; 2014.

Silva EF, Pavani RAB, Moraes MS, Neto FC. Prevalência do uso de drogas entre escolares do ensino médio do Município de São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública (São Paulo). 2006;22(6):1151-8. doi: https://dx.doi.org/0.1590/S0102-311X2006000600004.

Wang J, Simons-Morton BG, Farhart T, Luk JW. Socio-demographic variability in adolescent substance use: mediation by parents and peers. Prev Sci. 2009; 10(4):387-96. doi: https://dx.doi.org/10.1007/s11121-009-0141-1.

Lopes GM, Nobrega BA, Del Prette G, Scivoletto S. Use of psychoactive substances by adolescents: current panorama. Rev Bras Psiquiatr (São Paulo). 2013;35(1):S51-S61.doi: https://dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2013-S105.

Dormitzer, CM, Gonzalez GB, Penna M, Bejarano J, Obando P, Sanchez M. The PACARDO research project: youthful drug involvement in Central America and the Dominican Republic. Rev Panam Salud Pública. 2004;15:400-16. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s1020-49892004000600006.

Benner AD, WangY. Adolescent substance use: the role of demographic marginalization and socioemotional distress. Dev Psychol. 2015;51(8):1086-97. doi: https://dx.doi.org/10.10370000026.

HortaI RL, MolaII CL, HortaII BL, MattosI CNB, Andreazzi MA, Oliveira-Campos M, et al. Prevalência e condições associadas ao uso de drogas ilícitas na vida: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Rev Bras Epidemiol (Porto Alegre). 2018;21(sup.1):e180007. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180007.

Elicker E, Palazzo LS, Aerts DRGC, Alves GG, Câmara S. Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares de Porto Velho-RO, Brasil. Epidemiol Serv Saúde (Brasília). 2015;24(3):399-410. doi: https://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300006.

Bertoni N, Bastos FI, Mello MB, Makuch MY, Sousa MH, Osis MJ, et al. Uso de álcool e drogas e sua influência sobre as práticas sexuais de adolescentes de Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública (Rio de Janeiro). 2009;25(6):1350-1360. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600017.

HortaI RL, MolaII CL, HortaII BL, MattosI CNB, Andreazzi MA, Oliveira-Campos M, et al. Prevalência e condições associadas ao uso de drogas ilícitas na vida: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Rev Bras Epidemiol. (Porto Alegre). 2018; 21(1). doi: https://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180007.

European Monitoring Centre for Drugs and Drug Addiction (EMCDDA). European School Survey Project on Alcohol and Other Drugs (ESPAD). ESPAD Report 2015: results from the European School Survey Project on Alcohol and Other Drugs. Lisboa, Portugal; 2015. Available from: http://www.espad.org/sites/espad.org/files/ESPAD_report_2015.pdf.

Nascimento MO, Avallone, DM. Prevalência do uso de drogas entre adolescentes nos diferentes turnos escolares. Adolesc Saude. 2013;10(4):41-49. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/adolescenciaesaude.com/pdf/v10n4a06.pdf.

Center for Behavioral Health Statistics and Quality. Behavioral health trends in the United States: Results from the 2014 National Survey on Drug Use and Health (HHS Publication No. SMA 15-4927, NSDUH Series H-50). Rockville, MD; 2015. Available from: https://www.samhsa.gov/data/sites/default/files/NSDUH-FRR1-2014/NSDUH-FRR1-2014.pdf.

Duffy A, Horrocks J, Milin R, Doucette S, Persson G, Grof P. Adolescent substance use disorder during the early stages of bipolar disorder: a prospective high-risk study. J Affect Disord. 2012;142(1-3):57-64. doi: https://dx.doi.org/10.1016/j.jad.2012.04.010.

Gobbi G, Atkin T, Zytynski T, Wang S, Askari S, Boruff J, et al. Association of Cannabis Use in Adolescence and Risk of Depression, Anxiety, and Suicidality in Young Adulthood: a systematic review and meta-analysis. JAMA Psychiatry. 2019;76:426. doi: https://dx.doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2018.4500.

Zappe, JG; Dapper, F. Drogadição na Adolescência: Família como Fator de Risco ou Proteção. Rev Psicol IME (Passo Fundo). 2017;9(1):140-58. doi: https://dx.doi.org/10.18256/2175-5027.2017.v9i1.1616.

Broecker CZ, Jou GI. Práticas educativas parentais: a percepção de adolescentes com e sem dependência química. Psico-USF (Porto Alegre). 2007;12(2):269-79. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicousf/v12n2/v12n2a15.pdf.

Gallo AE, Williams LCA. Adolescentes em conflito com a lei: uma revisão dos fatores de risco para a conduta infracional. Psicol Teor Prat (São Paulo). 2005;7(1):181-91. https://www.scielo.br/pdf/ptp/v28n2/06.pdf.

Scomparini LB, Santos B, Rosenheck RA, Scivoletto S. Association of child maltreatment and psychiatric diagnosis in Brazilian children and adolescents. Clinics (São Paulo). 2013;68(8):1096-102. doi: https://dx.doi.org/10.6061/clinics/2013(08)06.

Publicado

2020-08-28

Como Citar

Chaves, A. C. M., Ferreira, A. C. B. M., Lacerda, A. M. S., Navarro, M. S., Campos, G. P., Vaz-Tostes, J. P., Gandra, A. L. S., Campos, A. M. F. S., Cunha, L. R. da, & Machado, M. C. L. (2020). Uso de substâncias psicoativas em serviço de urgência em psiquiatria da infância e adolescência de Belo Horizonte. Revista De Medicina, 99(4), 342-349. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i4p342-349

Edição

Seção

Artigos/Articles