Análise das experiências em iniciações científicas de estudantes de medicina do Campus São Paulo/UNIFESP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i4p326-334

Palavras-chave:

Pesquisa, Ciência, Narrativa, Estudante, Medicina

Resumo

Iniciações científicas são o primeiro contato dos estudantes de medicina com a pesquisa e são centrais no desenvolvimento do pensamento crítico e de habilidades pessoais, apesar de dificuldades como falta de tempo e de orientação apropriada. Os objetivos foram analisar as experiências que estudantes de medicina Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) tiveram com seus projetos de iniciação científica e identificar aspectos positivos e negativos desse programa nesta universidade. Estudantes de medicina da Unifesp de todos os anos foram convidados a escrever anonimamente, utilizando a plataforma online RedCap, um relato sobre suas experiências com projetos de iniciação científica. Os textos foram lidos e divididos em categorias relativas a experiência geral e em subcategorias relativas aos benefícios, dificuldades e motivações presentes nos relatos. Foram analisadas 71 respostas, sendo que 60 relataram uma boa experiência em seus projetos e 11, uma experiência ruim. Os principais benefícios citados foram contato com o método científico e desenvolvimento pessoal. As principais dificuldades foram um relacionamento conflituoso com o orientador e a falta de tempo. As principais motivações foram o contato com uma área de interesse e o enriquecimento curricular. Desenvolver um projeto permite praticar o método científico, estimula o pensamento crítico e a melhoria de habilidades pessoais, como trabalho em equipe e gerenciamento de tempo. Um bom relacionamento com o orientador é importante, uma vez que os estudantes, devido à falta de experiência, não têm a capacidade de conduzir as pesquisas sozinhos. Conciliar os projetos com a graduação é uma dificuldade, gerando a discussão de como as faculdades de medicina poderiam incorporar a iniciação científica no currículo oficial. A motivação pelo enriquecimento curricular mostra preocupação com o processo de seleção para a residência médica, podendo criar um sentimento de obrigatoriedade de engajamento em pesquisa, gerando decepção com o meio acadêmico e resultados pouco significativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Henrique Pereira, Universidade Federal de São Paulo - UNIFES`P

II International Congresso of Health Science, 2019, Unimontes (Montes Claros-MG). VI Academic Congresso of Unifesp – Science and University: Tranformations for the Society, 2020, São Paulo-SP.
Medical student. Universidade Federal de São Paulo /UNIFESP.

Mariana Cabral Schveitzer, Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Associate Research Professor. Department of Preventive Medicine. Universidade Federal de São Paulo /Escola Paulista de Medicina - UNIFESP/ EPM.

Referências

Silva LF. Iniciação científica – contexto e aspectos práticos. Rev Med (São Paulo). 2012;91(2):128-36. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v91i2p128-136.

Massi L, Queiroz SL. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cad Pes ;2010;40(139):173-97. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000100009.

Fava-de-Moraes F, Fava M. A iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo Perspec. 2000;14(1):73-7. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000100008.

Tenorio MP, Beraldi G. Iniciação científica no Brasil e nos cursos de medicina. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(4):390-3. doi: 10.1590/S0104-42302010000400007.

Hunskaar S, Breivik J, Siebke M, Tømmeras K, Figenschau K, Hansen JB. Evaluation of the medical student research programme in Norwegian medical schools. A survey of students and supervisors. BMC Med Educ. 2009;9:43. doi: https://doi.org/10.1186/1472-6920-9-43.

Oliveira NA, Alves LA, Luz MR. Iniciação científica na graduação: o que diz o estudante de medicina? Rev Bras Educ Med. 2008;32(3):309-14. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000300005.

Oliveira CC, Souza RC, Abe EHS, Moz LES, Carvalho LR, Domingues MA. Undergraduate research in medical education: a descriptive study of student’s views. BMC Med Educ. 2014;14:51. doi: https://doi.org/10.1186/1472-6920-14-51.

Hoga LAK, Borges ALV. Pesquisa empírica em saúde: guia prático para iniciantes [citado em 24 mar 2020]. 2016. Disponível em: http://www.ee.usp.br/cartilhas/pesquisa_empirica_saude_2016.pdf.

Palinkas LA, Horwitz SM, Green CA, Wisdom JP, Duan N, Hoagwood K. Purposeful sampling for qualitative data collection and analysis in mixed method implementation research. Adm Policy Ment Health. 2015;42(5):533-44. doi: https://doi.org/10.1007/s10488-013-0528-y.

Universidade Federal de São Paulo. Números e indicadores. São Paulo: Unifesp; 2015 [citado em 24 mar 2020 ]. Disponível em: https://www.unifesp.br/reitoria/indicadores/unifesp-em-numeros.

Vieira E, Barbieri C, Vilela D, Ianhez Junior E, Tome F, Woida F, et al. O que eles fazem depois da aula? As atividades extracurriculares dos alunos de ciências médicas da FMRP-USP. Medicina (Ribeirão Preto). 2004;37(1/2). doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v37i1/2p84-90.

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Editora Atlas; 2003.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES 1/2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 23 jun. 2014. Seção 1, p. 8-11.

Chaves HL, Borges LB, Guimarães DC, Cavalcanti LPG. Vagas para residência médica no Brasil: onde estão e o que é avaliado. Rev Bras Educ Med. 2013;37(4):557-65. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000400011.

Oliveira NA, Luz MR, Saraiva RM, Alves LA. Students views of research training programmes in medical schools. Med Educ. 2011;45(7):748-55. doi: https://doi.org/10.1111/j.1365-2923.2011.03986.x.

Cyrillo RJT, Setubal S, Junior Cyro TS, Velarde LGC, Mattos ANMT, Cardoso RBB, et al. Influência de um programa de iniciação científica de graduação no perfil profissional dos médicos recém-formados. Rev Port Pneumol. 2010;16(5). doi: https://doi.org/10.1016/S0873-2159(15)30072-6.

Universidade Federal de São Paulo. Conteúdo Programático das UC’s. São Paulo: Unifesp; 2018 [citado em 24 mar 2020]. Disponível em: https://www.unifesp.br/reitoria/prograd/pro-reitoria-de-graduacao/cursos/conteudoprogramatico-das-uc-s.

Pathipati AS, Taleghani N. Research in medical school: a survey evaluating why medical students take research years. Cureus.2016;8(8):e741. doi: https://doi.org/10.7759/cureus.741.

Gonzalez C. Undergraduate research, graduate mentoring and the University’s Mission. Science. 2001;293(5535):1624-6. doi: https://doi.org/10.1126/science.1062714.

Parsonnet J, Gruppuso PA, Kanter SL, Boninger M. Requires vs. Elective Research and in Depth Scholarship Programs in the Medical Student Curriculum. Acad Med. 2010;85(3):405-8. doi: https://doi.org/10.1097/ACM.0b013e3181cccdc4.

Oliveira RV. O programa de formação em pesquisa médica MD-PhD da UFRJ [tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2009. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=169746.

Petrella JK, Jung AP. Undergraduate research: importance, benefits, and challenges. Int J Exerc Sci. 2008;1(3):91-5.

Wickramasinghe DP, Perera CS, Senarathna S, Samarasekera DN. Patterns and trends of medical student research. BMC Med Educ. 2013;13:175. doi: https://doi.org/10.1186/1472-6920-13-175.

Palacios M. Pesquisa científica como eixo integrador da formação e prática médica. Rev Bras Educ Med. 2011;35(4):443-4. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000400001.

Jacobs CD, Cross PC. The value of medical student research: the experience at Stanford University School of Medicine. Med Educ. 1995;29(5):342-6. doi: https://doi.org/10.1111/j.1365-2923.1995.tb00023.x.

Publicado

2020-08-28

Como Citar

Pereira, L. H., & Schveitzer, M. C. (2020). Análise das experiências em iniciações científicas de estudantes de medicina do Campus São Paulo/UNIFESP. Revista De Medicina, 99(4), 326-334. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i4p326-334

Edição

Seção

Artigos/Articles