Tópicos tropicais

Imaginário e exotismo na obra de Villa-Lobos

  • Heloísa de Araújo Duarte Valente Universidade Paulista (UNIP)
Palavras-chave: Semiótica musical, Peirce: categorias, Tagg: musemas, Baitello: iconofagia

Resumo

Se a música “não quer dizer nada”, como preconizou Stravinsky, é intenção do(s) seu(s) compositor(es) e ouvintes que ela esteja sempre vinculada a implicações semânticas. Não sendo possível empreender uma extensa discussão teórica sobre o tema, limitamo-nos a abordar alguns processos de formulação semântica por relações de analogia. Para tanto, servimo-nos das categorias de Charles S. Peirce, a musemática de Philip Tagg e os estudos de Norval Baitello sobre iconofagia, partir dos exemplos do Prelúdio (da Bachiana nº 4); as partes corais masculinas da Floresta do Amazonas (Abertura; Caçadores de cabeças), O Trenzinho do Caipira (da Bachiana nº 2), comentados por musicólogos, músicos e o próprio Villa-Lobos. Concluímos, a partir da leitura de Lotman, que a semântica musical se constrói e se repousa a partir de uma ‘memória comum’ de uma coletividade cultural. Tal memória é capaz de gerar novos textos. A obra de Villa-Lobos o atesta muito claramente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloísa de Araújo Duarte Valente, Universidade Paulista (UNIP)

Professora titular do PPGCOM da UNIP, mestre e doutora em comunicaçao e semiótica (PUC-SP), com doutorado sanduíche na EHESS (Paris); pós-doutorado no CTR/ECA-USP. Áreas de atuação: semiótica da cultura e da mídia; música e cultura das mídias. Líder do Centro de Estudos em Música e Mídia - MusiMid.

Referências

BAITELLO Jr., Norval A era da iconofagia: Ensaios de comunicação e cultura. São Paulo: Hacker Editores, 2005.

BAITELLO Jr., Norval Imagem e emoção: movimentos exteriores e interiores. In: BAITELLO JR., Norval.; WULF, Christoph. (orgs.). Emoção e imaginação: Os sentidos de as imagens em movimento. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

GRIECO, Donatello. Roteiro de Villa-Lobos. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2009.

LÓTMAN, Iuri; USPENSKII, Bóris. Sobre o mecanismo semiótico da cultura. In: LOTMAN, Iuri, et al. Ensaios de semiótica soviética. Lisboa: Novo Horizonte, 1981, p. 37-65.

LÓTMAN, Iuri; USPENSKII, Bóris. Acerca de la semiosfera. In: La semiosfera I. Semiótica de la cultura y del texto. Madrid: Cátedra, 1996, p. 21-42.

MIRANDA, Suzana R. A ressonância do modelo analítico de Philip Tagg para os Estudos da Música no Cinema. In: Rebeca, nº6, jul- dez. 2014.

SANTAELLA, Lucia. Miniaturas- ensaios breves. São Paulo: Hacker, 1996

SCHAFER, R. Murray. A Afinação do Mundo. São Paulo: Edunesp, 2011

SOUZA, Rodolfo C. Abstração e representação na música eletroacústica. Revista Vórtex, Curitiba, n.1, 2013, p.23-35.

TAGG, Philip. Análise musical para “não-musos”: a percepção popular... Per Musi, Belo Horizonte. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/pm/n23/n23a02. Consulta 3 nov 2018.

TAGG, Philip. Para que serve um musema? Antidepressivos e a gestão musical da angústia. Disponível em: https://tagg.org/articles/xpdfs/paraqueserveummusema.pdf. Consulta 3 nov 2018.

VAZ, Gil N. O campo da canção: um modelo sistêmico para escansões semióticas. In: VALENTE, Heloísa de A. D. (org.). Música e Mídia: novas abordagens sobre a canção. 1 ed. São Paulo: FAPESP/Via Lettera, 2007.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Valente, H. de A. D. (2019). Tópicos tropicais. Revista Música, 19(2), 145-159. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163566