Villa-Lobos na teledramaturgia

semântica musical e poéticas audiovisuais

  • Raphael Fernandes Lopes Farias Universidade Paulista - UNIP
Palavras-chave: Villa-Lobos, Telenovela, Semântica musical, Imaginário, Cultura das mídias

Resumo

Este artigo analisa os usos de composições do brasileiro Heitor Villa-Lobos nas telenovelas brasileiras. Partimos das minisséries A Muralha e Hoje é dia de Maria; e das novelas Amor, eterno amor e A lei do amor, e das composições usadas nessas obras audiovisuais. Assim como o uso do repertório sinfônico é comum em produções audiovisuais, a obra de Villa-Lobos aparece nessas produções e se mostra eficiente como trilha musical. As características do discurso musical do compositor foram aqui analisadas em relação às novelas e minisséries televisivas selecionadas, apoiadas na teoria das tópicas e da musemática, de Philip Tagg. Conclui-se que, devido às suas características intrínsecas, obra Villa-Lobos se amolda adequadamente à poética audiovisual, razão pela qual se faz presente para além das salas de concerto – para aonde foi inicialmente concebida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Fernandes Lopes Farias, Universidade Paulista - UNIP

Doutorando e Mestre em Comunicação e Cultura Midiática pela Universidade Paulista, ambos como bolsista CAPES. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Santos, com bolsa de Iniciação Científica e Licenciado em Música. Pesquisador do Centro de Estudos em Música e Mídia ? MusiMid e da rede REMEMORA - Rede Brasileira de Pesquisadorxs em Memória e Comunicação. Desde 2016, membro da organização dos Encontros Internacionais de Música e Mídia. Estudou piano clássico, participou de corais e atuou como professor em escolas livres, técnicas e de ensino regular. Tem se dedicado à pesquisa da "canção das mídias" no Brasil, especialmente nos anos 1940, 1950 e 1960 e suas relações com o cenário midiático da época; também, ao deslocamento e a ressignificação do repertório de concerto e das performances musicais na cultura midiática e suas implicações na paisagem sonora. Participou de projetos de pesquisa aprovados pelo CNPq, como "Uma vereda tropical: a suave e morna batida do bolero memória e nomadismo da canção hispânica no Brasil" e "A canção romântica italiana: Paisagem sonora, consumo cultural e imaginário do Brasil nos anos de chumbo". Atualmente, participa do projeto "Sous le ciel de Paris: memória e nomadismo da canção francesa no Brasil", financiado pela FAPESP. Pesquisa as áreas de Música, Comunicação e Artes e suas intersecções.

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: ZOUK, 2012.

GARCÍA-CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ª Ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

GOMES, R. Matrizes culturais e formatos industriais: uma série brasileira de televisão. Caligrama São Paulo, 2006, Online, n 2, v 2.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo. Para uma revisão das identidades coletivas em tempo de globalização, in LOPES, M. I. V. (org.). Telenovela: internacionalização e interculturalidade. São Paulo: Loyola, 2004.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia.2. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2001.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício do cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura.São Paulo: Loyola, 2004.

MOREIRA, Gabriel F. O elemento indígena na obra de Heitor Villa-Lobos: uma pesquisa em finalização. I Simpósio brasileiro de pós-graduandos em música; XV Colóquio do Programa de Pós-Graduação em Música da UNIRIO. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em : < http://www.seer.unirio.br/index.php/simpom/article/view/2782>. Acesso em 30 de novembro de 2019.

MOTTER, Maria de Lourdes. A telenovela: documento. REVISTA USP, São Paulo, n.48, p. 74-87, dezembro/fevereiro 2000/2001.

MORIN, Edgar. O método 4: as ideias, habitat, vida, costumes, organização. 5ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SOUZA, Rodolfo Coelho de. Abstração e representação na música eletroacústica. Revista Vórtex, Curitiba, n.1, 2013.

TAGG, Philip. Para que serve um musema? Antidepressivos e a gestão musical da angústia Conferência Philip Tagg. Conferência. In: V Congresso da IASPM-LA- Palestra, Tradução preliminar: Henrique Wesley. Rio de Janeiro, 2004.

TAGG, Philip. Analisando a música popular: teoria, método e prática. Em Pauta, Porto Alegre, v. 14 n.23. p. 5-41, dezembro de 2003.

VALENTE, Heloísa de A. Duarte; FARIAS, Raphael F. Lopes. Criaturas da noite: luxo, divas e um piano ao luar. A música como (p) arte da narrativa publicitária. Culturas Midiáticas. Ano X, n. 18 - jan-jun/2017.

ZAMPRONHA, E. Transferência: o que é, e o que oferece à música? Revista Música Hodie, Goiânia, V.13 - n.1, 2013, p. 8-18.

Audiovisuais:

A Muralha. Autor: Maria Adelaide Amaral. Direção: Denise Saraceni, Carlos Araújo e Luís Henrique Rios. Rio de Janeiro, Rede Globo, 2000.

Amor, Eterno Amor. Autores: Maria Adelaide Amaral, Vilari Vincent. Direção: Denise Saraceni. Rio de Janeiro, Rede Globo, 2016-17.

Hoje é dia de Maria. Autores: Luiz Carvalho, Luís Fernando Abreu. Direção: Luiz Fernando Carvalho. Rio de Janeiro, Rede Globo, 2005.

A Lei do Amor. Autora: Elizabeth Jhin. Direção: Luciana Oliveira, Roberta Richard, Fabio Strazzer e Paulo Ghelli. Rio de Janeiro, Rede Globo, 2012.

Partituras:

VILLA-LOBOS, Heitor. “Prelúdio” das Bachianas brasileiras nº 4. São Paulo: Irmãos Vitale, 1976.

CHOPIN, Frédéric. Chopin: Complete Works for the Piano Book XI: Sonatas. New York: Schirmer's Library, 1939.

Publicado
2019-12-21
Como Citar
Farias, R. (2019). Villa-Lobos na teledramaturgia. Revista Música, 19(2), 231-243. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.163794

Dados de financiamento