Identidades entre som e barro

a zabumba Mestre Vitalino e o pífano no Alto do Moura

  • Marília Paula dos Santos Universidade Federal da Paraíba - UFPB - (último vínculo - 2017)
Palavras-chave: Zabumba Mestre Vitalino, Pífano, Alto do Moura, Caruaru, Música e Identidade

Resumo

O pífano e o barro estão muito presentes em Caruaru. O primeiro, relacionado com as festas juninas e o forró. O segundo, pela difusão que recebeu através de Vitalino. Este era artesão e pifeiro. Para continuar o legado do Mestre, sua família, junto com João do Pife, fundou a Zabumba Mestre Vitalino. Este artigo tem como objetivo compreender como acontece a construção identitária que relaciona a sonoridade do pífano com a produção da arte figurativa do barro no Alto do Moura, com foco na Zabumba Mestre Vitalino. Entrevistamos alguns membros da família de Vitalino e observamos momentos em que a Zabumba tocou, pois a música é constituída pelo ambiente no qual está inserida. Desta maneira, utilizamos a Etnomusicologia e os Estudos Culturais como aporte teórico. A maior parte das informações foi obtida durante o trabalho de campo realizado para o “Inventário do ofício dos artesãos e artesãs do barro do Alto do Moura – Caruaru – PE”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Paula dos Santos, Universidade Federal da Paraíba - UFPB - (último vínculo - 2017)

Mestra em Música, com área de concentração em Etnomusicologia, pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2017). Graduada em Música, com láurea acadêmica, pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2014), e em Letras, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru - FAFICA (2008). Integrou, como clarinetista, a Banda Sinfônica do Conservatório Pernambucano de Música (CPM). Foi componente do grupo Bellas Marias. Iniciou sua experiência como Educadora Musical realizando trabalho voluntário em uma ONG. Na UFPE, participou de atividades de extensão que envolviam o ensino da música a partir da clarineta, sob a orientação do professor Dr. Jailson Raulino. Participou do grupo de pesquisa Formação e Atuação Profissional de Professores de Música, no qual desenvolveu uma pesquisa de Pibic, orientada pela professora Dr.ª Cristiane Galdino, com a qual foi premiada. Integrou a equipe que criou o I Simpósio de Pesquisa em Música da UFPE. No mestrado, sob a orientação do professor Dr. Carlos Sandroni, desenvolveu uma pesquisa sobre música nordestina/pernambucana, os Ecos Armoriais. Integrou a equipe multidisciplinar de pesquisa do Inventário do Ofício dos Artesãos e Artesãs do Barro do Alto do Moura - Caruaru - PE, exercendo a função de pesquisadora/etnomusicóloga, sendo responsável pelo registro das expressões relacionadas à atividade do barro no local, como mazurca, bandas de pífanos, sanfoneiros, poetas/isas, compositores, bacamarteiros/as, reisado, etc. Também escreve poesias, que dialogam com uma natureza nordestina e desenvolve trabalhos sobre gêneros/corpos/mulheres/feminismos. Seus interesses de pesquisa estão voltados principalmente para Música, Cultura e Identidade (relação da música com lugares, espaços, gêneros, outras artes), Música, Cérebro e Neurociências (preferência musical, percepção musical, performance, indústria criativa, mídia, corpos) e Processos de Aprendizagem.

Referências

ARTE POPULAR DO BRASIL. Mestre Vitalino. Blog. Nov., 2011. Disponível em <http://artepopularbrasil.blogspot.com/2010/11/mestre-vitalino.html> Acesso em 15, ago., 2019.

BLACKING, John. How musical is man? 6. ed. Seattle: University of Washington Press, 2000.

COHEN, Sara. Identity, Place and the ‘Liverpool Sound’. In STOKES, Martin (edt.). Ethnicity, identity and music: the musical construction of place. Oxford and New York: Berg, 1997. p. 117-134.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. São João 2019. 17, maio, 2019. Disponível em <https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/vidaurbana/2019/05/confira-o-calendario-das-comidas-gigantes-em-caruaru.html> Acesso em 12, ago., 2019.

FARIAS, Edson. Faces de uma festa-espetáculo: redes e diversidade na montagem do ciclo junino em Caruaru. Sociedade e Cultura, Goiás, v. 8, n. 1, p. 7-28, 2007.

GASPAR, Lúcia. Alto do Moura, Caruaru, Pernambuco. Fundação Joaquim Nabuco. S/d. Disponível em <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=815&Itemid=1> Acesso em 29, jun., 2019a.

GASPAR, Lúcia. Feira de Caruaru. Fundação Joaquim Nabuco. S/d. Recife. Disponível em <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=434&Itemid=1> Acesso em 18, ago., 2019b.

GASPAR, Lúcia. Vitalino. Fundação Joaquim Nabuco. S/d. Disponível em <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=1> Acesso em 18, ago., 2019c.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva Petrópolis: Editora Vozes, 2000. p. 103-133.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: a invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (org.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Tereza, 1984.

IBGE. Brasil/Pernambuco/Caruaru. S/d. Disponível em <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/caruaru/panorama> Acesso em 11, ago., 2019.

MELO, Reginaldo. De Vitalino Pereira à Mestre Vitalino. Cordel. Sem lugar de impressão. S/d.

PEDRASSE, Carlos Eduardo. Bandas de Pífano de Caruaru: uma análise musical. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

PREFEITURA DE CARUARU. História: sobre Caruaru. S/d. Disponível em <https://caruaru.pe.gov.br/historia/> Acesso em 14, ago., 2019.

SALLES, Vicente. Vitalino e seu Zabumba (texto no encarte do CD). In: VITALINO E SEU ZABUMBA. Vitalino e Seu Zabumba: documentário sonoro do folclore brasileiro. CD (cópia de LP). Ministério da Educação e Cultura; Departamento de Assuntos Culturais; Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Estúdio da rádio MEC, Rio de Janeiro, 1960.

SANTOS, João Alfredo Marques dos (João do Pife). Entrevista de XXXX, em 7, fev., 2018J. Caruaru. Áudio. Oficina João de João do Pife, bairro do Salgado.

SANTOS, Manoel Vitalino Pereira dos. Entrevista de XXXX, em 6, abr., 2018M. Caruaru. Áudio. Residência do entrevistado, Alto do Moura.

SANTOS, Severino Pereira dos (Severino Vitalino). Entrevista de XXXX, em 6, abr., 2018S. Caruaru. Áudio. Casa-Museu Mestre Vitalino, Alto do Moura.

SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva Petrópolis: Editora Vozes, 2000. p. 73-102.

STOKES, Martin (ed.). Ethnicity, identity and music: the musical construction of place. Oxford and New York: Berg, 1997. p. 1-27.

STOKES, Martin (ed.). Introduction: Ethnicity, Identity and Music. In:STOKES, Martin Ethnicity, identity and music: the musical construction of place. Oxford and New York: Berg, 1997. p. 1-27.

VELHA, Cristina Eira. Significações sociais, culturais e simbólicas, na trajetória da Banda de Pífanos de Caruaru e a problemática histórica do estudo da cultura de tradição oral no Brasil (1924-2006). Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

VITALINO E SEU ZABUMBA. Vitalino e Seu Zabumba: documentário sonoro do folclore brasileiro. CD (cópia de LP). Ministério da Educação e Cultura; Departamento de Assuntos Culturais; Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Estúdio da rádio MEC, Rio de Janeiro, 1960.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: um introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva Petrópolis: Editora Vozes, 2000. p. 7-72.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Santos, M. (2019). Identidades entre som e barro. Revista Música, 19(2), 65-85. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.164376