Villa-Lobos e o modernismo da Primeira República

  • Lutero Rodrigues
Palavras-chave: Villa-Lobos, Música brasileira, Modernismo, Nacionalismo musical

Resumo

Embora o que é reconhecido como Modernismo no Brasil tenha sido iniciado com a Semana de Arte Moderna de 1922, impondo-se à cultura do país e obrigando tudo aquilo que o antecedeu a ser visto segundo sua ótica exclusiva, a atividade cultural anterior, a partir da República, tivera características próprias e diferenciadas que não poderiam ser negligenciadas.  Este trabalho pretende questionar a visão de um único Modernismo, tomando Villa-Lobos como figura central, já que o compositor atuou nos anos anteriores à Semana, e depois dela, tornou-se o principal nome da música nacionalista brasileira. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lutero Rodrigues

Doutor em Musicologia pela Escola de Comunicações e Artes da USP, em 2009, e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes-Música, do Instituto de Artes da UNESP, em 2001. Entre todas suas atividades, prioriza o estudo, pesquisa, interpretação e divulgação da música brasileira, atuando em três áreas principais: Regência, Musicologia e Ensino universitário. Ao regressar de um período em que continuou seus estudos, na Alemanha, de 1981 a 1983, dedicou-se à formação de jovens instrumentistas, dirigindo inúmeros festivais de música, com destaque para o Festival de Inverno de Campos do Jordão, do qual foi Diretor Artístico, de 1987 a 1990. Como Regente, durante 20 anos, foi diretor de diversas orquestras, destacando-se o período em que esteve à frente da Sinfonia Cultura - Orquestra da Rádio e TV Cultura, de São Paulo, entre 1998 e 2005. Foi Regente convidado da maioria das principais orquestras brasileiras e também atuou no exterior, priorizando sempre o repertório brasileiro, do qual é responsável pela estréia de mais de uma centena de obras. Na área de Musicologia, produziu numerosos textos sobre diversos compositores brasileiros e suas obras, vários deles publicados, com ênfase nas linhas de Análise e Interpretação, bem como História, Estilo e Recepção. Realizou inúmeras revisões e edições de músicas orquestrais brasileiras, tanto destinadas a projetos, como da Petrobrás, quanto a instituições, como a Academia Brasileira de Música. Em diversas ocasiões dedicou-se ao Ensino, sobretudo da Regência, passando a ser Professor desta matéria e outras correlatas, em cursos universitários de Graduação, com destaque para o Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista - UNESP, desde 2005. Em 2002, foi eleito membro da Academia Brasileira de Música, passando a ocupar a Cadeira número 36.

Referências

ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. Rio de Janeiro: Briguiet, 1926.

ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. 2.ed. cor. e aum. Rio de Janeiro: Briguiet, 1942.

ANDRADE, Mário de. Aspectos da música brasileira. Belo Horizonte: Villa Rica, 1991.

ANDRADE, Mário de. Música, doce música. 2. Ed. São Paulo: Martins; Brasília: INL, 1976.

AZEVEDO, Luiz Heitor Correia de. 150 anos de música no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 49.ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

BRITO, Mário da Silva. História do modernismo brasileiro: antecedentes da Semana de Arte Moderna. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

CORRÊA do LAGO, Manoel Aranha. O Círculo Veloso-Guerra e Darius Milhaud no Brasil: Modernismo musical no Rio de Janeiro antes da Semana. Rio de Janeiro: Reler, 2010.

GOLDBERG, Luiz Guilherme. Um Garatuja entre Wotan e o Fauno: Alberto Nepomuceno e o Modernismo Musical no Brasil. Tese de Doutorado. Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007. Porto Alegre, 2007. 205p.

KIEFER, Bruno. Villa-Lobos e o Modernismo na música brasileira. 2.ed. Porto Alegre: Movimento; Brasília: INL: Fundação Nacional Pró-Memória, 1986.

MORAES, Eduardo Jardim de. A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SOUZA, Rodolfo Coelho de. A influência de Wagner e Verdi na marcha processional e na dança ritual de “Abul” de Nepomuceno. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE MUSICOLOGIA DA UFRJ “VERDI, WAGNER E CONTEMPORÂNEOS”, 2014, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, UFRJ, 2014, p. 259-78.

VIDAL, João Vicente. Formação Germânica de Alberto Nepomuceno: Estudos sobre Recepção e Intertextualidade. Tese de Doutorado. Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, 2011. São Paulo, 2011. 310p.

WISNIK, José Miguel. O coro dos contrários: a música em torno da semana de 22. São Paulo: SCCT; Duas Cidades, 1977.

Publicado
2019-12-21
Como Citar
Rodrigues, L. (2019). Villa-Lobos e o modernismo da Primeira República. Revista Música, 19(2), 244-252. https://doi.org/10.11606/rm.v19i2.165306