Aspectos técnicos e roteiro de análise da radiografia de tórax

  • Danilo Tadao Wada Universidade de São Paulo. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Centro de Ciências das Imagens e Física Médica, Ribeirão Preto (SP), Brasil https://orcid.org/0000-0002-6433-4849
  • José Antonio Hiesinger Rodrigues Universidade de São Paulo. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Centro de Ciências das Imagens e Física Médica, Ribeirão Preto (SP), Brasil
  • Marcel Koenigkam Santos Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FAEPA), Ribeirão Preto (SP), Brasil https://orcid.org/0000-0002-7160-4691
Palavras-chave: Radiografia Torácica, Tórax, Aspectos Técnicos

Resumo

Antes de se iniciar a avaliação dos achados radiográficos no exame de radiografia (RX) de tórax, é preciso se atentar às incidências realizadas e aos parâmetros técnicos do exame. A sistematização da avaliação, utilizando a rotina semiológica e a terminologia correta, também é importante. Este artigo visa abordar os aspetos técnicos básicos para a realização de um bom exame de RX de tórax e apresentar um roteiro de avaliação sistematizada para sua correta interpretação. O exame de RX de tórax deve ser realizado, sempre que possível, com as incidências em posteroanterior (PA) e perfil. Há outras incidências que são realizadas de maneira complementar ou em situações específicas, como a anteroposterior (AP), decúbito lateral com raios horizontais (Laurel), apicolordótica, obliquas, expiração máxima e com marcadores no tórax. Os 3 principais parâmetros técnicos do RX de tórax avaliados na rotina clínica são a dose de radiação (verificar se o RX não ficou pouco ou muito penetrado), inspiração correta (verificar se o exame não está expirado) e o alinhamento (verificar se o RX não está rodado). A sistematização na avaliação do exame de RX de tórax, seguindo uma rotina semiológica, ajuda a reduzir a chance de erros de interpretação e de se perder alterações menos importantes ou secundárias. O modelo de laudo normal pode servir de roteiro para a análise do exame.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Tadao Wada, Universidade de São Paulo. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Centro de Ciências das Imagens e Física Médica, Ribeirão Preto (SP), Brasil

Médico assistente da disciplina de Radiologia Torácica e Cardiovascular.

Mestrado Profissional em Radiologia, Especialização em Estágio de R4 em Med. Interna - Ênfase em Radiol. Torácica e Cardiovasc. e Residência Médica pelo HCFMRP-USP. 

José Antonio Hiesinger Rodrigues, Universidade de São Paulo. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Centro de Ciências das Imagens e Física Médica, Ribeirão Preto (SP), Brasil

Médico assistente da disciplina de Radiologia Torácica e Cardiovascular. 

Mestrado em Medicina e Residência Médica pelo HCFMRP-USP. 

Marcel Koenigkam Santos, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FAEPA), Ribeirão Preto (SP), Brasil

Docente responsável pela disciplina de Radiologia Torácica e Cardiovascular.

Publicado
2019-10-15
Como Citar
1.
Wada DT, Rodrigues JAH, Santos MK. Aspectos técnicos e roteiro de análise da radiografia de tórax. Medicina (Ribeirao Preto Online) [Internet]. 15out.2019 [citado 17nov.2019];52(supl1.):5-5. Available from: http://www.periodicos.usp.br/rmrp/article/view/154763
Bookmark and Share