Manejo da hiperglicemia no paciente hospitalizado não crítico

Autores

  • Christiane L. Leal Hospital Estadual de Ribeirão Preto
  • Paula Carolina Bezzan Pisi Hospital Estadual de Ribeirão Preto
  • Alexandre B. de Figueiredo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Sérgio C. L. de Almeida Área de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Julio C. Moriguti Divisão de Clínica Médica Geral e Geriatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v43i2p134-142

Palavras-chave:

Hiperglicemia. Insulinoterapia. Hipoglicemia. Diabetes Mellitus.

Resumo

Vários estudos observacionais apontam forte associação entre hiperglicemia nos pacientes hospitalizados e desfechos clínicos desfavoráveis, incluindo tempo de internação prolongado, infecção, incapacidade após alta hospitalar e morte. A Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos (AACE) e a Associação Americana de Diabetes (ADA) sugerem que a insulinoterapia seja iniciada para o tratamento de hiperglicemia persistente a partir de níveis de glicemia de 180 mg/dL. Para a maioria dos pacientes não críticos internados, a meta glicêmica pré-prandial é <140 mg/dL e a casua l <180mg/dL.O esquema de insulinização basal-bolus em associação com doses corretivas ou suplementares para o controle da hiperglicemia pré-prandial é a abordagem recomendada.O plano de alta, a educação do paciente durante a internação e a comunicação clara com os cuidadores são fundamentais para garantir transição segura para o manejo ambulatorial da glicemia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christiane L. Leal, Hospital Estadual de Ribeirão Preto

Ex-Médica Assistente da Clínica Médica do Hospital Estadual de Ribeirão Preto.

Paula Carolina Bezzan Pisi, Hospital Estadual de Ribeirão Preto

Médica Assistente da Clínica Médica do Hospital Estadual de Ribeirão Preto

Alexandre B. de Figueiredo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Médico Assistente da Clínica Médica do Hospital Estadual de Ribeirão Preto.

Mestre em Clínica Médica pela Área de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Sérgio C. L. de Almeida, Área de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Ex-Médico Assistente da Clínica Médica do Hospital Estadual de Ribeirão Preto

Mestre em Clínica Médica pela Área de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Julio C. Moriguti, Divisão de Clínica Médica Geral e Geriatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Diretor de Atividades Clínicas do Hospital Estadual de Ribeirão Preto e Professor Livre-Docente da Divisão de Clínica Médica Geral e Geriatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2010-06-30

Como Citar

1.
Leal CL, Pisi PCB, Figueiredo AB de, Almeida SCL de, Moriguti JC. Manejo da hiperglicemia no paciente hospitalizado não crítico. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30º de junho de 2010 [citado 29º de outubro de 2020];43(2):134-42. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/rmrp/article/view/168

Edição

Seção

Capítulos