Avaliação do desenvolvimento motor de recém-nascidos prematuros extremos e moderados em uma unidade de terapia intensiva neonatal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p77-85

Palavras-chave:

Recém-nascido prematuro, Desenvolvimento infantil, Unidades de terapia intensiva neonatal

Resumo

Objetivo: avaliar o desenvolvimento motor de recém nascidos prematuros extremos e comparar ao desenvolvimento motor dos recém-nascidos prematuros moderados, em uma UTI Neonatal. Métodos: estudo transversal onde foram avaliados 16 neonatos, cinco prematuros extremos e 11 prematuros moderados, classificados pelo Test of Infant Motor Performance. Resultados: Não houve diferença significativa no desempenho motor entre o grupo de prematuros extremos e moderados, entretanto, a prematuridade extrema reduziu 4,74 pontos no escore. Na correlação entre os fatores de risco e o desenvolvimento motor, o uso de ventilação mecânica não invasiva e o Apgar no 1º minuto foram associados estatisticamente com o desempenho motor atípico. As demais variáveis não apresentaram correlação significativa com o desenvolvimento motor. Conclusão: não houve associação entre a idade gestacional e o desenvolvimento motor de neonatos prematuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelen Salvagni, Hospital Materno Infantil Presidente Vargas

Fisioterapeuta, Hospital Materno Infantil Presidente Vargas, Porto Alegre, RS, Brasil. 

Laís Rodrigues Gerzson, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Programa de Pós Graduação Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Carla Skilhan de Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Departamento de Fisioterapia, Educação Física e Dança, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Gallahue DL, Ozmun JC, Goodway J. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Pereira KRG, Saccani R, Valentini NC. Cognição e ambiente são preditores do desenvolvimento motor de bebês ao longo do tempo. Fisioter Pesqui. 2016;23(1):59–67. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/14685223012016.

Perlroth NH, Branco CWC. Current knowledge of environmental exposure in children during the sensitive developmental periods. J Pediatr. 2017; 93(1):17-27. doi: http://doi.org/10.1016/j.jped.2016.07.002.

Borba LS, Saccani R, Valentini NC. Desenvolvimento motor de crianças nascidas pré-termo e a termo avaliadas com a escala motora infantil de Alberta. Temas Desenvolv. 2013;19(105):130-5.

Lotto CR, Linhares MBM. “Skin-to-skin” contact in pain prevention in preterm infants: systematic review of literature. Trends Psychol. 2018;26(4):1699-713. http://dx.doi.org/10.9788/tp2018.4-01pt.

Leonel F. Pesquisa Nascer no Brasil revela novos dados sobre prematuridade [citado 05 jul. 2018]. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-dasaude/52044-pesquisa-nascer-no-brasil-revela-novos-dadossobre-prematuridade.

Panzenhagen H. Nascimentos prematuros têm dados alarmantes no Brasil [citado 05 jun. 2018]. Disponível em: http://www.camarapoa.rs.gov.br/noticias/nascimentosprematuros-tem-dados-alarmantes-no-brasil.

Victora CG, Aquino EM, Carmo Leal M, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet. 2011;377(9780):1863-76. doi: http://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60138-4.

Costa KSF, Beleza LDO, Souza LM, Ribeiro LM. Hammock position and nesting: comparison of physiological and behavioral effects in preterm infants. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(spe):e62554. doi: http://doi.org/10.1590/1983-447.2016esp.62554.

Danielli CR, Farias BL, Santos DAPB, Neves FE, Tonetta MC, Gerzson LR, Almeida CS. Efeitos de um programa de intervenção motora precoce no desenvolvimento de bebês em um abrigo residencial. ConScientiae Saúde. 2016;15(3):370-7. https://doi.org/10.5585/conssaude.v15n3.6257.

Almeida CS, Paines AV, Almeida CB. Intervenção motora precoce ambulatorial para neonatos prematuros no controle postural. Rev Ciên Saúde. 2008;1(2):64-70. http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2008.2.4200.

Byrne R, Noritz G, Maitre NL, NCH Early Developmental Group. Implementation of early diagnosis and intervention guidelines for cerebral palsy in a high-risk infant follow-up clinic. Pediatr Neurol. 2017;76:66-71. doi: http://doi.org/10.1016/j.pediatrneurol.2017.08.002.

Nicolau CM, Costa APBM, Hazime HO, Krebs VLJ. Desempenho motor em recém-nascidos pré-termo de alto risco. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2011;21(2):327-34. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822011000200015&lng=pt&tlng=pt.

Chiquetti EMS. Validação e normatização do “test of infant motor performance” (TIMP) para aplicação clínica e científica no Brasil [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; 2018.

Santos PSP. Estudo do impacto da prematuridade, peso gestacional e outros fatores no desenvolvimento motor de crianças em idade pré-escolar [dissertação]. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa – UTL; 2012.

Ishii N, Kono Y, Yonemoto N, Kusuda S, Fujimura M, Neonatal Research Network Japan. Outcomes of infants born at 22 and 23 weeks’ gestation. Pediatrics. 2013;132(1):62-71. doi: http://doi.org/10.1542/peds.2012-2857.

Jarjour IT. Neurodevelopmental outcome after extreme prematurity: a review of the literature. Pediatr Neurol. 2015;52(2):143-52. doi: http://doi.org/10.1016/j.pediatrneurol.2014.10.027.

Araújo ATC, Eickmann SH, Coutinho SB. Fatores associados ao atraso do desenvolvimento motor de crianças prematuras internadas em unidade de neonatologia. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2013;13(02):119-28. doi: http://doi.org/10.1016/j.pediatrneurol.2014.10.027.

French HM, Reid M, Mamontov P, Simmons RA, Grinspan JB. Oxidative stress disrupts oligodendrocyte maturation. J Neurosci Res. 2009;87(14):3076-87. doi: http://doi.org/10.1002/jnr.22139.

Limperopoulos C, Gauvreau KK, O’Leary H, Moore M, Bassan H, Eichenwald EC, et al. Cerebral hemodynamic changes during intensive care of preterm infants. Pediatrics. 2008;122(5):e1006-13. doi: http://doi.org/10.1542/peds.2008-0768.

Fuentefria RDN, Silveira RC, Procianoy RS. Motor development of preterm infants assessed by the Alberta Infant Motor Scale: systematic review article. J Pediatr. 2017;93(4):328-42. doi: http://doi.org/10.1016/j.jped.2017.03.003.

Oliveira TG, Freire PV, Moreira FT, Moraes JS, Arrelaro RC, Rossi S, et al. Escore de Apgar e mortalidade neonatal em um hospital localizado na zona sul do município de São Paulo. Einstein. 2012;10(1):22-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082012000100006.

Borba LS, Pereira KRG, Valentini NC. Preditores do desenvolvimento motor e cognitivo de bebês de mães adolescentes e adultas. J Phys Educ. 2017;28(1):1-16. http://dx.doi.org/10.4025/jphyseduc.v28i1.2811.

Hughes AJ, Redsell SA, Glazebrook C. Motor development interventions for preterm infants: a systematic review and meta-analysis. Pediatrics. 2016;138(4):pii: e20160147. doi: http://doi.org/10.1542/peds.2016-0147.

Guimarães CL, Reinaux CM, Botelho AC, Lima GM, Cabral Filho JE. Desenvolvimento motor avaliado pelo Test of Infant Motor Performance: comparação entre lactentes prétermo e a termo. Rev Bras Fisioter. 2011;15(5):357-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011005000021.

Downloads

Publicado

2019-08-26

Como Citar

Salvagni, K., Gerzson, L. R., & Almeida, C. S. de. (2019). Avaliação do desenvolvimento motor de recém-nascidos prematuros extremos e moderados em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(2), 77-85. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p77-85

Edição

Seção

Artigo Original