O brincar de faz de conta como ferramenta na expressão do imaginário de crianças em tratamento quimioterápico hospitalizadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p140-147

Palavras-chave:

Antineoplásicos, Hospitalização, Terapia Ocupacional, Oncologia, Jogos e brinquedos, Tratamento farmacológico, Criança, Pediatria

Resumo

Objetivo: Compreender os comportamentos e vivências de crianças submetidas ao tratamento quimioterápico por meio do brincar de faz de conta. Métodos: Estudo de casos múltiplos, abrangendo 5 crianças em uma enfermaria de oncopediatria, para tratamento quimioterápico, tendo como estratégia o brincar de faz de conta. As sessões foram filmadas, com posterior transcrição realizada por duas avaliadoras independentes, garantindo maior fidedignidade dos dados, e separando-os em categorias de análise.
Resultados: De acordo com as categorias definidas, pode-se identificar que durante o faz de conta as crianças apresentaram boa exploração e escolha adequada dos materiais; houve presença de distratores
durante a brincadeira; a imitação não foi um recurso utilizado pelas crianças em suas ações; apesar de trazerem temas domésticos em seu brincar, a hospitalização aparece como tema principal, demonstrando
grande riqueza de detalhes e conhecimento sobre os procedimentos clínicos vivenciados. Conclusão: Apesar das limitações impostas pelo processo quimioterápico, o engajamento das crianças nas brincadeiras
de faz de conta se mostrou efetivo e favoreceu a expressão dos sentimentos acerca do processo vivenciado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefanny Maria Santana de Campos, Universidade do Estado de Mato Grosso

Parte integrante da dissertação “O brincar de faz de conta de crianças com câncer que se submetem ao processo de quimioterapia”, de Stéfanny Maria Santana de Campos, sob orientação da Profa. Dra. Luzia Iara Pfeifer, Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública, EERP-USP, em 2017.

Luzia Iara Pfeifer, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Possui graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos (1986), mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1994) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1999). É professora doutora/ RDIDP da Universidade de São Paulo na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento - Divisão de Terapia Ocupacional. É orientadora dos programas de pós graduação em Neurologia da FMRP-USP e de Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (USP). Co-orientadora de doutorado no programa de Ciências de Desporto da Universidade Trás-Os-Montes e Alto Douro (Portugal). Coordena o LEPTOI Laboratório de Ensino e Pesquisa em Terapia Ocupacional, Infância e Adolescência (Grupo de Pesquisa do CNPQ). Tem experiência na área de Terapia Ocupacional, com ênfase no desempenho ocupacional infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: terapia ocupacional, paralisia cerebral e comportamento lúdico. Realizou, no ano de 2010, estágio Pós-Doutoral (bolsa de estudo da Capes) na Deakin University, Geelong - Austrália, desenvolvendo atividades acadêmicas e de pesquisa sobre o brincar de faz-de-conta de crianças pré escolares (avaliação e intervenção), em parceria com a Dra. Karen Ellen Stagnitti.

Referências

Hockenberry MJ, Wilson DW. Wong - Fundamentos de enfermagem pediátrica. 9a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015. p.831-65.

Koren G, Schechter T. Cancer chemotherapy in young children: challenges and solutions. Pediatr Blood Cancer. 2007;49:1091-92. doi: https://doi.org/10.1002/pbc.21349.

Gomes IP. Influência do ambiente na percepção das crianças em quimioterapia ambulatorial [dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2011.

Sturgess J. Play as child-chosen activity. In: Stagnitti K, Cooper R. editors. Play as therapy: assessment and therapeutic interventions. London: Jessica Kingsley Publishers; 2009.

American Occuparional Therapy Associacion (AOTA). Ocupational therapy practice framework: domain and process. 2nd ed. Am J Occup Ther. 2008;62(6):625-83. doi: https://doi.org/10.5014/ajot.62.6.625.

Jansen MF, Santos RM, Favero L. Benefícios da utilização do brinquedo durante o cuidado de enfermagem prestado a criança hospitalizada. Rev Gaúcha Enferm. 2010;31(2):247-53. doi: https://doi.org/10.1590/S1983-14472010000200007.

Whitebread D, Basilio M, Kuvalja M, Verma, M. The importance of play: a report on the value of play with a series of policy recommendations. London: Toy Industries of Europe; 2012. Available from: http://www.csap.cam.ac.uk/media/uploads/files/1/david-whitebread---importance-of-play-report.pdf.

Lynch H, Prellwitz M, Schulze C, Moore AH. The state of play in children’s occupational therapy: a comparison between Ireland, Sweden and Switzerland. Brit J Occup Ther. 2018;81(1):42-50. doi: https://doi.org/https://doi.org/10.1177/0308022617733256.

Green CS. Understanding children’s needs through therapeutic play. Rev Nursing. 1974;4(10):31-2.

Maia EBS, Ribeiro CA, Borba RIH. Understanding nurses’ awareness as to the use of therapeutic play in child care. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(4):839-46. doi: https://doi.org/10.1590/s0080-62342011000400007.

Ribeiro CA, Almeida FA, Borba RI. A criança e o brinquedo no hospital. In: Almeida FA, Sabatés AL. Enfermagem pediátrica: a criança, o adolescente e sua família no hospital. São Paulo: Manole; 2008.

Silva SGT, Santos MA, Floriano CMF, Damião EBC, Campos FV, Rossato LM. Influence of therapeutic play on the anxiety of hospitalized school-age children: clinical trial. Rev Bras Enferm. 2017;70(6):1244-9. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0353.

Artilheiro APS, Almeida FA, Chacon JMF. Use of therapeutic play in preparing preschool children for outpatient chemotherapy. Acta Paul Enferm. 2011;24(5):611-6. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002011000500003.

Fonseca MRA, Campos CJG, Ribeiro CA, Toledo VP, Melo LL. Revealing the world of oncological treatment through dramatic therapeutic play. Texto Contexto Enferm. 2015;24(4):1112-20. doi: https://doi.org/10.1590/0104-0707201500003350014.

Melo LL, Leite TM. O brinquedo terapêutico como facilitador na adesão ao tratamento de diabetes mellitus tipo 1 na infância. Pediatr Mod. 2008;44(3):100-3. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=3850.

Stagnitti K. Child-initiated pretend play assessment. Melbourne, Australia: Co-ordinates Therapy Publications; 2007.

Silva LF, Cabral IE. Cancer repercussions on play in children: implications for nursing care. Texto Contexto Enferm. 2014;23(4):935-43. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072014002380013.

Garcia NR, Pfeifer LI, Panúncio-Pinto MP. As caixas de histórias na visão de profissionais de saúde como estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Rev Terap Ocup Univ São Paulo. 2012;23(2):169-77. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i2p169-177.

Nordberg L, Rydelius PA, Zetterström R. Psychomotor and mental development from birth to age four years; sex differences and their relation to home environment. Children in a new Stockholm suburb. Results from a longitudinal prospective study starting at the beginning of pregnancy. Acta Paediatr Scand Suppl. 1991;80(378):1-25. doi: https://doi.org/10.1111/j.1651-2227.1991.tb12034.x.

Wollenhaupt J, Rodgers B, Sawin KJ. Family management of a chronic health condition: perspectives of adolescent. J Fam Nurs. 2012;18(1):65-90. doi: https://doi.org/10.1177/1074840711427545.

Elkonin DB. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Torun MV, Slaugther L, Ruland CM. How children with cancer communicate and thing about symptoms. J Pediatr Oncol Nurs. 2010;27(1):24-32. doi: https://doi.org/10.1177/1043454209349358.

Bonassa EMA, et al. Conceitos gerais em quimioterapia antineoplásica. In: Bonassa EMA, Gato MIR. Terapêutica oncológica para enfermeiros e farmacêuticos. 4a ed. São Paulo: Atheneu; 2012.

Caleffi CCF, Rocha PK, Anders JC, Souza AIJ, Burciaga VB, Serapião LS. Contribution of structured therapeutic play in a nursing care model for hospitalised children. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(2):e58131. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.58131.

Cigogna EC, Nascimento LC, Lima RAG. Children and adolescents with cancer: experiences with chemotherapy. Rev Latino-Amer Enfermagem. 2010;18(5):864-72. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692010000500005.

Downloads

Publicado

2019-08-28

Como Citar

Campos, S. M. S. de, Garcia, L. E., & Pfeifer, L. I. (2019). O brincar de faz de conta como ferramenta na expressão do imaginário de crianças em tratamento quimioterápico hospitalizadas. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(2), 140-147. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p140-147

Edição

Seção

Estudo de Caso