Desenvolvimento neuropsicomotor e o brincar de crianças em uma unidade de educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p116-123

Palavras-chave:

Desenvolvimento infantil, Jogos e brinquedos, Educação infantil

Resumo

Este estudo teve como objetivo verificar a relação entre as características do brincar e o desenvolvimento neuropsicomotor de crianças de uma Unidade de Educação Infantil (UEI). Trata-se de uma pesquisa com delineamento longitudinal, de caráter descritivoexploratório, observacional e com abordagem quantitativa dos dados. Participaram 23 crianças, de ambos os sexos, com idade entre 3 e 4 anos, matriculadas em uma UEI do município de Belém-PA, em 2017. Para registro das características do brincar das crianças na escola foi utilizado o Protocolo de Observação do Brincar (POB) e para avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor usou-se o Teste de Denver II. O estudo revelou que 56,5% das crianças apresentaram o resultado suspeita de atraso no desenvolvimento. As variáveis do brincar que tiveram associação estatisticamente significativa com a suspeita de atraso no DNPM, a partir do Teste U de Mann-Whitney foram: interação em grupo (p=0,04), brincadeira proposta pelo objeto (p=0,03) e não brincadeira-exploração (p=0,02). Considera-se que esta pesquisa possa contribuir para a identificação precoce de desvios no desenvolvimento de crianças no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natali Machado Pena Teixeira, Universidade do Estado do Pará

Este trabalho fez parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Pará, como critério estabelecido para obter grau de Bacharel em Terapia Ocupacional, Universidade do Estado do Pará. 

Priscila Barros Lourenço, Universidade do Estado do Pará

Este trabalho fez parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Pará, como critério estabelecido para obter grau de Bacharel em Terapia Ocupacional, Universidade do Estado do Pará. 

Elson Ferreira Costa, Universidade do Estado do Pará

Este trabalho fez parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Pará, como critério estabelecido para obter grau de Bacharel em Terapia Ocupacional, Universidade do Estado do Pará. 

Referências

Araújo LB, Israel VL, editores. Desenvolvimento da criança: família, escola e saúde. Curitiba: Omnipax; 2017.

Silva ML, Cavalcante LIC, Heumann S, Lima, TVR. Relação entre gênero e desempenho neuropsicomotor de crianças em Belém, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(8):2721-30. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018238.13202016.

Kishimoto TM, Santos MW, organizadores. Jogos e brincadeiras tempos, espaços e diversidade (pesquisas em educação). São Paulo: Cortez Editora; 2017.

Teixeira H, Volpini M. A importância do brincar no contexto da educação infantil: creche e pré-escola. Cad Educ Ens Soc (Bebedouro). 2014;1(1):76-88. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/sumario/31/04042014074001.pdf.

Zen C, Omairi C. O modelo lúdico: uma nova visão do brincar para a terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2009;17(1):43-51. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/117/75.

Brunello M, Mieto F, Silva C. Procedimentos de avaliação da qualidade do brincar na prática da terapia ocupacional: um estudo exploratório. Rev Ter Ocup USP. 2013; 24(2):95-102. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v24i2p95-102.

Fonsêca M, Silva Â. Concepções e uso do brincar na prática clínica de terapeutas ocupacionais. Cad Ter Ocup UFSCar. 2015;23(3):589-597. http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0554.

Cordazzo S, Westphal J, Tagliari F, Vieira M. Brincadeira em escola de ensino fundamental: estudo observacional. Inter Psicol. 2010:14(1):43-52. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v14i1.14299.

AOTA - American Occupational Therapy Association. Estrutura da prática da terapia ocupacional: domínio & processo. 3ª ed. Traduzida. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2015;26(ed. Esp.):1-49. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49.

Pinheiro, MFG, Gomes, CL. Abordagens do brincar em cursos de graduação na área da saúde: educação física, fisioterapia e terapia ocupacional. Movimento. 2016;22(2):555-65.

Cordazzo S, Westphal J, Tagliari F, Vieira M, Oliveira A. Metodologia observacional para o estudo do brincar na escola. Aval Psicol. 2008;7(3):427-38. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712008000300014&lng=pt.

Frankenburg WK, Dodds J, Archer P, Shapiro H, Bresnick B. DENVER II: training manual. 2nd ed. Denver, USA: Denver Developmental Materials; 1992.

Pedromônico MRM, Bragatto EL, Strobilus R. Teste de triagem de Denver II. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 1999.

Cordazzo S. Influência do brincar no desempenho motor, cognitivo e social de crianças em idade escolar no Brasil e em Portugal [Tese]. Florianópolis, SC: Universidade Federal de Santa Catarina; 2008. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91645.

Lima S, Cavalcante L, Costa E. Triagem do desenvolvimento neuropsicomotor de crianças brasileiras: uma revisão sistemática da literatura. Fisioter Pesqui. 2016;23(3):336-42. http://dx.doi.org/10.1590/1809-950/15703523032016.

Coelho R, Ferreira JP, Sukiennik R, Halpern R. Child development in primary care: a surveillance proposal. J Pediatr (Rio J). 2016;92(5):505-11. https://doi.org/10.1016/j.jpedp.2016.05.016.

Wong WI, Yeung SP. Early Gender Differences in Spatial and Social Skills and Their Relations to Play and Parental Socialization in Children from Hong Kong. Arch Sex Behav. 2019;48(5):1589-602. https://doi-org/10.1007/s10508-019-1415-8.

Chapman R. A case study of gendered play in preschools: how early childhood educators’ perceptions of gender influence children’s play. Early Child Deve Care. 2016;186(8):1271-84. https://doi-org/10.1080/03004430.2015.1089435.

Bicalho C. Brincadeiras infantis e suas implicações na construção de identidades de gênero. Rev Med Minas Gerais. 2013;23(2):41-9. https://doi.org/10.5935/2238-3182.2013S007.

Oliveira L, Reis D, Magalhães C, Pedroso J. Estudo comparativo entre contextos de brincadeiras em instituição de acolhimento infantil. Rev Psicol. 2015;46(3):311-20. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.17978.

Lansford J, Skinner AT, Sorbring E, Di Giunta L, Deater-Deckard K, Dodge KA, et al. Boys’ and girls’ relational and physical aggression in nine countries. Aggress Behav. 2012;38(4):298-308. http://dx.doi.org/10.1002/ab.21433.

Nunes F, Figueiredo M, Barba P, Emmel M. Retratos do cotidiano de meninos de cinco e seis anos: a atividade de brincar. Cad Ter Ocup UFSCar. 2013;21(2):275-87. http://dx.doi.org/10.4322/cto.2013.029.

Downloads

Publicado

2019-08-27

Como Citar

Teixeira, N. M. P., Lourenço, P. B., Costa, E. F., Oliveira, L. S. M., & Cruz, D. A. (2019). Desenvolvimento neuropsicomotor e o brincar de crianças em uma unidade de educação infantil. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(2), 116-123. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p116-123

Edição

Seção

Artigo Original