O efeito da órtese curta para rizartrose na força de preensão e força de pinça: estudo de caso único

  • Larissa Keli de Sousa
  • Alessandra Prado Rezende
  • Adriana Maria Valladão Novais Van Petten Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Aparelhos ortopédicos, Prótese articular, Articulações dos dedos/fisiopatologia, Terapia ocupacional.

Resumo

Os objetivos deste trabalho consistiram em documentar o impacto da órtese curta para a rizartrose, ventral e dorsal, na força de preensão e força de pinça. Quanto à metodologia, foi realizado um estudo experimental de caso-único do tipo AB. A fase A, com duração de quatro semanas, consistiu em intervenção tradicional de terapia ocupacional. A fase B, com duração de seis semanas, incluiu o uso de órtese curta ventral ou dorsal para rizartrose. Duas mulheres com rizartrose participaram do estudo e foram avaliadas semanalmente quanto à força de preensão e pinça (lateral, trípode e polpa-a-polpa). Empregou-se na análise dos dados os métodos estatísticos Celeration Line e Banda de Dois Desvios-Padrão, assim como da Análise Visual.Os resultados foram: o uso de órtese curta ventral em mão dominante levou a um aumento na força de preensão, pinça trípode e pinça polpa-a-polpa, bem como redução da força de pinça lateral. Já o uso da órtese curta dorsal em mão não dominante levou à diminuição da força de pinça lateral, trípode e polpa-a-polpa, não havendo alteração na força de preensão manual. Com os resultados do estudo, conclui-se que o uso de órtese curta ventral e dorsal na rizartrose interferem na força de preensão e força de pinça. Essa informação pode ser útil aos terapeutas ocupacionais e demais profissionais de reabilitação da mão que trabalham com essa clientela na definição do tipo e tempo de uso da órtese, minimizando seu impacto na força de preensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Keli de Sousa
Mestranda em Ciências da Reabilitação, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.
Alessandra Prado Rezende
Terapeuta Ocupacional, Residente no Hospital Risoleta Tolentino Neves, Belo Horizonte, Minas Gerais.
Adriana Maria Valladão Novais Van Petten, Universidade Federal de Minas Gerais
Professora Adjunto do Departamento de Terapia Ocupacional. Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil.
Publicado
2015-09-04
Como Citar
Sousa, L., Rezende, A., & Van Petten, A. (2015). O efeito da órtese curta para rizartrose na força de preensão e força de pinça: estudo de caso único. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 26(2), 250-257. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p250-257
Seção
Artigo Original