“Pensando como um menino é mais fácil”: construções sobre as relações de gênero no discurso de meninas adolescentes

  • Rosana Juliet Silva Monteiro Universidade Federal de Pernambuco
  • Daniela Tavares Gontijo Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Terapia Ocupacional.
  • Vera Lucia Dutra Facundes Universidade Federal de Pernambuco, Curso de Terapia Ocupacional
  • Anna Carolina Sena e Vasconcelos Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Terapia Ocupacional, Adolescente, Identidade de gênero, Sexualidade, Mulheres/psicologia.

Resumo

As relações de gênero socialmente construídas influenciam na adoção de comportamentos e atitudes relacionados à sexualidade, com possível impacto no desempenho ocupacional das mulheres. Os objetivos consistem em descrever e analisar as construções sobre as relações de gênero no discurso de meninas adolescentes e os possíveis impactos dessas no desempenho ocupacional. Quanto à metodologia, trata-se de estudo exploratório e descritivo conduzido com 34 adolescentes mulheres em uma escola pública. Os dados coletados por gravação de intervenções de promoção de saúde sexual e reprodutiva e anotações em diário de campo foram submetidos a análise de conteúdo temática. Sobre os resultados e a discussão, identificou-se quatro categorias temáticas: infância e gênero; relações de gênero no cotidiano; relações de gênero e sexualidade e relações de gênero e gravidez na adolescência. Observou-se a coexistência de concepções tradicionais demarcadas pela opressão e submissão das mulheres em relação aos homens, com perspectivas mais problematizadoras das relações de gênero que possibilitam maior empoderamento da mulher no cotidiano. Concluiu-se que os dados apontam a importância da criação de ações e pesquisas pelos terapeutas ocupacionais que se direcionem para as possíveis relações entre sexo, gênero, sexualidade e desempenho ocupacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Juliet Silva Monteiro, Universidade Federal de Pernambuco
Terapeuta ocupacional pela Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: juliet.monteiro@hotmail.com.
Daniela Tavares Gontijo, Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Terapia Ocupacional.

Departamento de Terapia Ocupacional e Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco.

Doutora em Ciências da Saúde. Professora Adjunta do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Pernambuco –
UFPE. E-mail: danielatgontijo@gmail.com.

Vera Lucia Dutra Facundes, Universidade Federal de Pernambuco, Curso de Terapia Ocupacional
Doutora em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento. Professora Adjunta do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: verafacundes@yahoo.com.br.
Anna Carolina Sena e Vasconcelos, Universidade Federal de Pernambuco
Terapeuta ocupacional pela Universidade Federal de Pernambuco. E-mail: annasena90@gmail.com.
Publicado
2015-09-04
Como Citar
Monteiro, R., Gontijo, D., Facundes, V., & Vasconcelos, A. (2015). “Pensando como um menino é mais fácil”: construções sobre as relações de gênero no discurso de meninas adolescentes. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 26(2), 207-215. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p207-215
Seção
Artigo Original