Perfil funcional de adultos com deficiência visual adquirida

  • Marina Menezes Born
  • Karla da Silva Pereira
  • Gabriela Cordeiro Corrêa do Nascimento Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Baixa visão, Cegueira, Classificação internacional de funcionalidade, Incapacidade e saúde, Atividades cotidianas.

Resumo

A perda da visão pode ocorrer em qualquer fase da vida, acarretando impactos referentes ao enfrentamento da nova condição, à identidade do sujeito e ao desempenho de suas atividades cotidianas. Frente a isso, buscou-se verificar se é possível traçar o perfil funcional de adultos com deficiência visual adquirida que frequentam uma instituição de habilitação e reabilitação de pessoas com deficiência visual do município de Curitiba-PR, por meio de pesquisa documental, quantitativa, de caráter exploratório-descritivo. Para coleta e análise dos dados foi utilizado um roteiro baseado nos conceitos da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Foram analisados 27 registros, sendo que 33,3%(ƒ=9) apontaram restrições no cuidado pessoal; 88,8% (ƒ=24), na vida doméstica; 7,4%(ƒ=2) no trabalho; 33,3% no lazer (ƒ=9); e 81,5% (ƒ=22) na mobilidade. Foi possível obter indícios do perfil funcional desses sujeitos, no entanto, para um perfil mais detalhado, os dados documentais mostraram-se insuficientes. Os resultados encontrados permitiram uma reflexão sobre o tema, propondo novos estudos nesta área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Menezes Born
Terapeuta ocupacional graduada pela Universidade Federal do Paraná.
Karla da Silva Pereira
Terapeuta ocupacional graduada pela Universidade Federal do Paraná.
Gabriela Cordeiro Corrêa do Nascimento, Universidade Federal do Paraná
Docente do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Paraná na área de Desenvolvimento e contextos escolares.
Publicado
2015-09-04
Como Citar
Born, M., Pereira, K., & Nascimento, G. (2015). Perfil funcional de adultos com deficiência visual adquirida. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 26(2), 244-249. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p244-249
Seção
Artigo Original