Ordem e desordem em "Fora da ordem"

  • Ivã Carlos Lopes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
  • Luiz Tatit Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
Palavras-chave: Caetano Veloso, semiótica, melodia, letra, música.

Resumo

Este trabalho pretendeu demonstrar que o sentido formulado com os recursos da canção popular provém simultaneamente de suas faces lingüística e melódica. A partir da análise da composição “Fora da Ordem”, de Caetano Veloso, verificou-se que tanto as situações de precipitação e atropelo quanto os sinais de um certo arranjo natural dos conteúdos expressos pela letra migram para o setor melódico da canção, onde recebem um reforço dos tratamentos entoativo e musical. Em outros termos, este artigo sugere que, por meio de técnicas particulares de organização, letra e melodia revezam-se para garantir à canção o seu sentido homogêneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivã Carlos Lopes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
professor do Departamento de Lingüística da FFLCH-USP
Luiz Tatit, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
professor do Departamento de Lingüística da FFLCH-USP
Publicado
2003-12-08
Como Citar
Lopes, I., & Tatit, L. (2003). Ordem e desordem em "Fora da ordem". Teresa, (4-5), 86-107. Recuperado de http://www.periodicos.usp.br/teresa/article/view/116366