A espera manca e a biblioteca aberta: Samuel Beckett e Carpeaux

  • Fábio de Souza Andrade Universidade de São Paulo

Resumo

Quando da publicação da primeira edição de sua História da literatura ocidental (1959), redigida em meados dos anos 1940, Carpeaux reviu o texto original da obra para considerar a figura de Samuel Beckett, autor central no século XX, cuja peça mais conhecida, Esperando Godot, acabara de estrear. Anos depois, em 1976, o crítico tornou a se ocupar do dramaturgo irlandês, publicando uma análise de Godot na revista Manchete. Como esse encontro em dois tempos, entre o crítico/historiador e o romancista/dramaturgo, pode revelar aspectos da natureza de seus projetos autorais e dos contextos diversos, mas comunicantes, que os mobilizam?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio de Souza Andrade, Universidade de São Paulo

É professor de Teoria Literária e Literatura Comparada da usp, tradutor de Esperando Godot (Companhia das Letras, 2017) e autor de Samuel Beckett: o silêncio possível (Ateliê, 2001).

Publicado
2020-04-01
Como Citar
Andrade, F. (2020). A espera manca e a biblioteca aberta: Samuel Beckett e Carpeaux. Teresa, 1(20), 210-220. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2020.156567
Seção
Retratos e leituras