Traduzir não o que as palavras dizem, mas o que elas fazem

Autores

  • Clarissa Marini Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florinópolis, Brasil.
  • Alice Maria Ferreira Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v29i0p206-215

Palavras-chave:

Henri Meschonnic, tradução

Resumo

Continuando sua reflexão e trabalho sobre ritmo, o autor mostra como a poética da tradução pode ultrapassar os limites de uma teoria do signo baseada na dicotomia sentido/forma. Como uma alternativa para essa abordagem, que situa o poema e a tradução numa lógica da descontinuidade, o autor propõe que língua(gem) e tradução possam ser reconsideradas do ponto de vista da continuidade do discurso e da unidade do ritmo. Consequentemente, tradução consiste na tradução não do que as palavras dizem, mas do que elas fazem. Como exemplo, o autor aplica essa abordagem na tradução dos famosos dois primeiros versículos do Salmo 22.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa Marini, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florinópolis, Brasil.

Doutoranda em Estudos da Tradução - PGET

Alice Maria Ferreira, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil.

Departamento de letras Estrangeiras e Tradução

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

Marini, C., & Ferreira, A. M. (2017). Traduzir não o que as palavras dizem, mas o que elas fazem. Tradterm, 29, 206-215. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v29i0p206-215

Edição

Seção

Tradução