O lugar da literatura juvenil distópica no polissistema literário brasileiro: o caso da trilogia “Divergente”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v31i0p87-111

Palavras-chave:

Literatura juvenil, Distopia, Teoria dos Polissistemas, Tendências deformadoras

Resumo

Este artigo visa a discutir a tradução de literatura juvenil distópica no Brasil, considerando a demanda por este subgênero e sua relação direta com as escolhas do tradutor. Com base na Teoria dos Polissistemas (Even-Zohar 1990 [1978]) e nos conceitos de manipulação e patronagem (Lefevere 1992b), argumentamos que o polissistema literário brasileiro sofre influência de forças externas e internas que propiciam a entrada do subgênero distopia no sistema e que a literatura juvenil, tradicionalmente periférica ao sistema literário, tende a assumir posições mais privilegiadas face ao crescente consumo do subgênero, que estimula a produção nacional. No que diz respeito às escolhas tradutórias, analisamos qualitativamente, com base em Berman (2013 [1985]), trechos dos três volumes da trilogia Divergent, de Veronica Roth. Defendemos que as escolhas do tradutor estão sujeitas às pressões dos demais sistemas que coexistem ao sistema literário, podendo, dessa forma, sofrer deformações na medida em que buscam se adequar ao polissistema-alvo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Regina da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduada em Letras-Bacharelado em Tradução/Inglês (UFJF).

Sandra Aparecida Faria de Almeida, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora Adjunta da área de Língua Inglesa e Estudos da Tradução do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da UFJF.

Downloads

Publicado

2018-10-17

Como Citar

Silva, N. R. da, & Almeida, S. A. F. de. (2018). O lugar da literatura juvenil distópica no polissistema literário brasileiro: o caso da trilogia “Divergente”. Tradterm, 31, 87-111. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.v31i0p87-111

Edição

Seção

Artigos