Erostrato: reflexões sobre a retradução de um conto de Jean Paul Sartre

Autores

  • Felipe Cabañas da Silva Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2012.47350

Palavras-chave:

Sartre, retradução, Erostrato, O Muro.

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão a respeito da retradução do conto Erostrato, de Jean Paul Sartre, que integra a coletânea de contos O Muro. A partir da proposta de uma nova tradução para o conto, pretendeu-se analisar os efeitos do lapso de tempo entre as duas traduções, as divergências interpretativas, as distintas concepções tradutórias envolvidas em cada um dos projetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Cabañas da Silva, Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Mestrando em Geografia Humana pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Bacharel (2008) e licenciado (2010) em geografia pela USP, é tradutor francês < > português, tendo trabalhado para a Editora Martins Fontes durante dois anos, na tradução de um Dicionário de Ciências Humanas, publicado em 2010. Atualmente, é aluno ingressante do mestrado em Geografia Humana da FFLCH/USP, onde dedica-se a pesquisas voltadas à área de geografia literária.

 

Downloads

Publicado

2012-06-18

Como Citar

Silva, F. C. da. (2012). Erostrato: reflexões sobre a retradução de um conto de Jean Paul Sartre. Tradterm, 19, 127-163. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2012.47350

Edição

Seção

Artigos