Orlando: a história revisitada pela literatura e pelo cinema

Autores

  • Soraya Ferreira Alves Universidade Estadual do Ceará.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2007.47474

Palavras-chave:

Tradução audiovisual, tradução intersemiótica, literatura, cinema.

Resumo

Com Orlando (1928), Virginia Woolf lança a narrativa ficcional em nova experiência temporal, como se projetasse o fluxo da consciência interior para a suposta realidade exterior, ou seja, a história que, revisitada pela biografia, é narrada em um espaço-tempo relativo.  Com a mesma liberdade que dispõe para viajar pela história, Woolf aborda temas como androginia, homossexualismo e critica a posição da mulher na sociedade. A proposta deste trabalho é observar como Sally Potter interpreta o romance Orlando em sua adaptação fílmica de 1992 e se ela desenha a intertextualidade como semiose reveladora do processo de tradução. Para isso, serão feitas considerações sobre os aspectos semióticos de cada um dos sistemas comparados, no caso a literatura e o cinema, tendo como base a teoria semiótica de Peirce, a teoria da tradução intersemiótica de Plaza e os estudos da adaptação de Catrysse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-12-18

Como Citar

Alves, S. F. (2007). Orlando: a história revisitada pela literatura e pelo cinema. Tradterm, 13, 187-204. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2007.47474

Edição

Seção

Adaptação Fílmica