Tradução manifesta e double bind: a escritura de Jacques Derrida e suas traduções

Autores

  • Paulo Ottoni Universidade Estadual de Campinas.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2000.49517

Palavras-chave:

Manifestação da tradução, desconstrução, double bind, Derrida.

Resumo

A desconstrução proposta por Derrida nos permite ver a tradução como um acontecimento lingüistico singular. Esta dimensão enseja a reflexão sobre a diferença entre a chamada língua materna e a língua estrangeira. O pressuposto é que, com base nessa diferença, a língua do tradutor adquire um novo papel, como meio de transformação e produção de significado na língua para a qual se traduz. Esse acontecimento lingüístico cria um certo tipo de manifestação da tradução. Meu objetivo principal neste artigo é refletir sobre a relação existente entre as línguas envolvidas no processo de tradução através do double bind. O artigo analisa os prefácios, posfácios e notas de tradução de versões inglesas de alguns textos de Derrida a fim de verificar como os tradutores utilizam a desconstrução para explicar e justificar suas traduções. A hipótese desta reflexão é que entre a língua de Jacques Derrida — o francês — e a língua do tradutor — o inglês — há tradução recíproca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2000-12-18

Como Citar

Ottoni, P. (2000). Tradução manifesta e double bind: a escritura de Jacques Derrida e suas traduções. Tradterm, 6, 125-141. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2000.49517

Edição

Seção

Tradução