https://www.periodicos.usp.br/Rumores/issue/feed RuMoRes 2019-12-26T13:53:02-02:00 Revista RuMoRes rumores@usp.br Open Journal Systems <p><strong>RuMoRes – Revista Online de Comunicação, Linguagem e Mídias</strong> é um periódico científico semestral da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) publicado por MidiAto – Grupo de Estudos de Linguagem e Práticas Midiáticas e voltado para a divulgação de artigos científicos, resenhas críticas e entrevistas que contribuam para o debate sobre comunicação, cultura, mídias e linguagem. Classificada como B1 no Qualis Periódicos da Capes, a revista aceita trabalhos originais e inéditos (de autoria individual ou coletiva) de autores(as) com titulação mínima de doutor(a) ou doutorando(a), vinculados a instituições de ensino superior, recebendo-os em sistema de fluxo contínuo. Os textos devem ser encaminhados em Word, fonte TNR 12, espaçamento 1,5, seguindo as orientações encontradas nas&nbsp;Normas de Publicação. A revista conta com Apoio do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA-USP.</p> <p>Para conhecer o site acesse www.revistas.usp.br/rumores, outras informações podem ser obtidas pelo e-mail rumores@usp.br.</p> <p>Para conhecer o grupo MidiAto, acesse www.usp.br/midiato, outras informações sobre o grupo podem ser obtidas pelo email midiato@usp.br</p> https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/164315 Miradas políticas e horizontes éticos na crítica midiática 2019-12-26T13:53:01-02:00 MidiAto Grupo de Estudos de Linguagem revistas@tikinet.com.br <p>Editorial</p> 2019-12-13T12:01:10-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/164318 Crítica midiática e reconhecimento 2019-12-26T13:53:01-02:00 Ercio Sena erciosena@gmail.com Marcio Serelle marcio.serelle@gmail.com <p>Crítica midiática e reconhecimento</p> 2019-12-12T15:42:00-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160049 Celebridade 2019-12-26T13:53:02-02:00 Paula Guimarães Simões paulaguimaraessimoes@yahoo.com.br <p>O objetivo deste texto é discutir a possibilidade de refletir sobre as celebridades como um dispositivo interacional crítico. Partimos da ideia de que os sujeitos célebres podem ser pensados como sujeitos políticos que atuam no contexto social, revelando valores de uma sociedade e seus problemas públicos. A análise se volta para a postura assumida por Fernanda Lima no programa <em>Amor &amp; Sexo</em>, destacando eixos temáticos a partir dos quais podemos apreender os posicionamentos desta celebridade: machismo e misoginia, racismo, LGBTfobia. A análise mostra como a apresentadora se constitui como um dispositivo interacional crítico e pode atuar no fomento a lutas emancipatórias e na reconstrução de gramáticas morais capazes de atuar na promoção da justiça.</p> 2019-12-12T13:15:11-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160572 Limites do discurso identitário na disputa eleitoral 2019-12-26T13:53:02-02:00 Ercio Sena erciosena@gmail.com <p>Com o esvaziamento da luta pelo socialismo e a ascensão do neoliberalismo, o campo da esquerda progressista tem sido criticado por tomar a questão identitária como principal motor das lutas sociais. A proposta deste trabalho é identificar e analisar o debate sobre as lutas por reconhecimento identitário na campanha eleitoral de 2018. Serão consideradas as polarizações sobre o tema entre os dois partidos localizados à esquerda do espectro político – PT e PSOL – em relação à campanha majoritária do campo localizado à direita, representada pelo PSL. A partir de suas posições em relação ao tema, explicitadas em uma rede social, pretende-se observar e problematizar os limites desses embates discursivos.</p> 2019-12-12T00:00:00-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/163281 Possibilidades políticas da crítica em perspectiva teórica 2019-12-26T13:53:02-02:00 Gislene Silva gislenedasilva@gmail.com Rosana de Lima Soares rolima@usp.br <p>Este estudo discute possibilidades políticas da crítica em face de diferentes perspectivas teóricas, priorizando, neste momento, contribuições da teoria crítica e dos estudos culturais para se fazer a crítica de mídia. Trabalhamos com a necessidade de se privilegiar objetos concretos em circulação no ambiente midiático e de se considerar também os sistemas de produção e recepção em que as obras se inserem. O objetivo, ao levar em conta a diversidade de objetos midiáticos e a variedade de modos de se fazer a crítica de mídia, é debater a conexão entre as perspectivas da teoria crítica e dos estudos culturais no campo da crítica de mídia, especialmente em cenários fortemente marcados por embates políticos e ideológicos.</p> 2019-12-12T00:00:00-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/159788 Crítica de mídia, sucesso de escândalo e narrativa política no Brasil hoje 2019-12-26T13:53:02-02:00 Lígia Lana ligialana@gmail.com <p>Este trabalho reconstrói, pela ótica da crítica de mídia, narrativas políticas no Brasil, entre o final de 2018 e meados de 2019. Trata-se de uma revisão de textos publicados por articulistas e críticos de televisão na mídia brasileira. O quadro teórico é orientado pelos conceitos de sucesso de escândalo e entretenimento político, e a metodologia estabelece três operadores analíticos – celebridades, redes sociais e metacrítica. As conclusões do trabalho discutem as semelhanças entre a cultura da celebridade e a narrativa política; as transformações, trazidas pela internet, nas narrativas políticas; e o papel social da mídia na crítica dos processos políticos hoje.</p> 2019-12-12T13:25:10-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160560 O factual e o ficcional nas imagens sobre médicos na reportagem e no drama televisivos 2019-12-26T13:53:02-02:00 Amanda Souza de Miranda amanda.souzademiranda@gmail.com <p>Este trabalho tem o objetivo de compreender as dicotomias e as imbricações nas formas narrativas apresentadas em um conjunto de imagens de dois conteúdos midiáticos veiculados na TV Globo, em 2017: a série de reportagens Tudo pela Vida, comandada pelo médico Drauzio Varella, no <em>Fantástico, </em>e o drama seriado <em>Sob pressão</em>, produto ficcional gravado e ambientado em um hospital público do Rio de Janeiro. A partir de um conjunto de frames coletados em um episódio de cada produto, refletimos sobre como o personagem médico é construído nestas narrativas e identificamos proximidades e afastamentos na sua representação, alinhada aos novos realismos e categorizadas no gênero de reality TV.</p> 2019-12-12T13:30:19-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/159928 Fronteiras dos discursos audiovisuais sobre o jovem em conflito com a lei 2019-12-26T13:53:02-02:00 Caio Lamas caiolamas@uol.com.br <p>O artigo tem por finalidade apresentar dados contextuais, pressupostos teóricos e algumas análises iniciais de pesquisa de doutorado em desenvolvimento na Universidade de São Paulo. A partir da análise do longa-metragem <em>De menor </em>(2013) e da websérie <em>O filho dos outros </em>(2017), procura-se encontrar convergências entre narrativas audiovisuais de diferentes gêneros e mídias com o intuito de melhor oferecer subsídios ao estudo de representações de jovens em conflito com a lei na cultura audiovisual. Conclui-se que ambas as produções estabelecem uma crítica ao sistema de justiça, além de tensionar os estereótipos de jovens autores de ato infracionais.</p> 2019-12-12T13:31:48-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160574 Por um jornalismo transformativo 2019-12-26T13:53:01-02:00 Juliana Gusman jugusman@terra.com.br <p>Pretendemos problematizar como experiências inscritas no âmbito da reportagem, as quais objetivam representar corpos femininos não normativos por meio de uma abordagem autorreflexiva e posicionada, podem dialogar com a noção de <em>reconhecimento antipredicativo</em>. A partir de comentários sobre a obra <em>Presos que menstruam</em>, escrita por Nana Queiroz, cuja perspectiva é marcadamente feminista, iremos discorrer sobre sua ação política no âmbito de um reconhecimento transformativo e desidentitário, sobre a importância de desnaturalizar a generificação violenta dos corpos e sobre os inevitáveis limites destes esforços no campo jornalístico.</p> 2019-12-12T13:33:34-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160825 A crítica da cobertura jornalística sobre minorias a partir das colunas de ombudsman 2019-12-26T13:53:01-02:00 Diana de Azeredo azeredo_diana@yahoo.com.br <p>Com base nos conceitos de crítica, reconhecimento e minorias problematizados, respectivamente, em pesquisas de Soares e Silva (2016), Serelle e Sena (2018) e Honneth (2009), este estudo tem como objeto de análise a crítica da cobertura jornalística sobre minorias a partir das colunas de ombudsman do jornal Folha de S.Paulo. Trabalhou-se com 41 textos que fazem a crítica da cobertura do jornal sobre a demanda de indígenas, negros, mulheres e integrantes da comunidade LGBTI+. O objetivo é verificar como o exercício autocrítico se dispõe a debater publicamente esta questão, examinando preconceitos e limitações do próprio jornalismo.</p> 2019-12-12T13:34:54-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/161058 Mediações no clube de leitura Leia Mulheres 2019-12-26T13:53:01-02:00 Gabriela Barbosa gabrielabarbosapacheco@gmail.com <p>Este artigo discute a leitura como um lugar de mediação e o gênero como um tipo de mediador no âmbito do clube de leitura presencial Leia Mulheres, que ancorado na internet encontra propulsão para discussão. Nesse contexto, tal debate se torna cada vez mais necessário nas atuais movimentações pela desinvisibilização de determinados grupos sociais, formando um diálogo entre a circulação de significados propiciada pela leitura e a presença da mulher no cenário literário.</p> 2019-12-12T13:38:06-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160654 Imaginários de poder e redes midiáticas 2019-12-26T13:53:01-02:00 Lucia Leão lucleao@gmail.com Vanessa Lopes hieia@me.com Mirian Aparecida Meliani Nunes mimeliani@gmail.com Bernardo Queiroz de Siqueira Santos bernardo_queiroz@yahoo.com.br <p>No campo da pesquisa em comunicação, especificamente no âmbito dos estudos do imaginário, observamos o surgimento de discussões que problematizam temas como arte, iconoclasmo, imagem e poder. Neste cenário, o artigo tem como objetivo desenvolver um estudo transversal sobre os imaginários de poder nas redes midiáticas. Através de mapeamentos das imagens e discursos presentes nas redes do Creative Time Summit, o artigo propõe relações com projetos brasileiros, baseando-se no conceito de imaginário de Durand e adotando como metodologia de análise a cartografia dos processos de comunicação e compartilhamento do imaginário desenvolvida por Leão. Nosso argumento é que as guerras das imagens, a criação de imagens nas comunidades, a compreensão processual e a formulação de pactos que compreendem as relações entre natureza e cultura configuram eixos de análise nas redes midiáticas capazes de revelar as complexas tramas dos imaginários do poder de nossa época.</p> 2019-12-12T15:13:06-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/154201 Novas tecnologias da informação, escalabilidade e métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas 2019-12-26T13:53:01-02:00 Silvana Seabra Hooper silhooper@gmail.com <p>O trabalho examina os pressupostos que orientaram a oposição entre os métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas e sociais, tratando com destaque o aspecto da escalabilidade como problema epistemológico. Trata-se de retomar alguns pontos deste debate em face das novas tecnologias da informação (NTIs), focando no impacto da grande produção de dados. Compreendendo o método como lógica de investigação, a proposta retoma as discussões de Lev Manovich e Bruno Latour como referência para uma releitura da dicotomia entre os métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas e sociais.</p> 2019-12-12T15:45:21-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/147789 Competência midiática e cultura de fãs 2019-12-26T13:53:01-02:00 Daiana Sigiliano daianasigiliano@gmail.com Gabriela Borges gabrielaborges@ufjf.edu.br <p class="Resumo">As <em>fan fictions</em> estimulam o entendimento crítico do fã, uma vez que as histórias propiciam a leitura crítica e criativa dos universos ficcionais, conforme discute Jenkins (2012). A partir deste contexto, o artigo reflete sobre o diálogo entre a competência midiática e o <em>Twittertainment</em> na social TV brasileira. Esta categoria de <em>fan fiction</em>, que é produzida pelos telespectadores interagentes ávidos de maneira síncrona à exibição da programação, imbrica dois desdobramentos da competência midiática, o <em>Twitter literacy</em> e o <em>remix literacy</em>. Para isso, são analisados os perfis criados no Twitter pelos fãs das telenovelas da Rede Globo, cujos conteúdos remixam distintos contextos e linguagens, propagam o universo ficcional e atualizam discussões sobre questões sociais e políticas.</p> 2019-12-12T15:15:43-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/150898 Um conceito de ouvinte expandido 2019-12-26T13:53:01-02:00 Nivaldo Ferraz ferraznivaldo@gmail.com <p>Do que pensaram autores da República de Weimar (Bertolt Brecht, Walter Benjamin e Rudolf Arnheim) sobre a relação do rádio com seus ouvintes, passando pela consideração dos <em>estudos culturais ingleses</em> e do conceito de <em>estrutura do sentir</em> de Raymond Williams, pode-se constituir um caminho para a discussão de como o ouvinte experimenta a interatividade com o rádio e com o som nestes dias. A despeito da amplitude atual da participação do ouvinte na programação, ela não chega a contemplar os ideais, principalmente, de Benjamin e Brecht, sendo que, este último, em sua “Teoria do rádio”, preconiza um ouvinte que fala na mesma medida do apresentador. O estudo mostra que é possível dimensionar o ouvinte atual como<em> ouvinte expandido</em>, uma extensão ao conceito de <em>rádio expandido</em> de Marcelo Kischinhevsky.</p> 2019-12-12T15:17:23-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/161129 O cine-eu, ou como o planeta passou a girar em torno do meu umbigo 2019-12-26T13:53:01-02:00 Marcius Freire marcius.freire@gmail.com <p>Com o esgarçamento dos valores que serviam de referência ao desenvolvimento humano e ao aprimoramento de sua existência no mundo, o indivíduo viu-se desnorteado ideologicamente, desestabilizado em suas convicções e inseguro quanto ao seu papel na sociedade. O documentário contemporâneo, fazendo eco a esse estado de coisas, passou a gestar um número cada vez maior de micro-histórias pessoais que, algumas vezes, podem reverberar processos sociais ou históricos mais amplos.</p> 2019-12-12T15:18:47-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/153755 Cartas para um ladrão de livros 2019-12-26T13:53:01-02:00 Ivan Paganotti ivanpaganotti@gmail.com <p>O artigo analisa a polêmica ao redor do documentário <em>Cartas para um ladrão de livros</em>. Ao expor o furto de obras raras de acervos públicos brasileiros, seus produtores sofreram ameaças de processos judiciais, o que levou à autocensura do filme. O trabalho avalia essa irônica contradição entre o retrato de um personagem perseguido pela justiça por roubar documentos públicos e vendê-los para colecionadores privados, e a ameaça judicial contra o documentário que denuncia a privatização da memória coletiva. Para isso, será analisada também a repercussão dessa denúncia automutilada: poucos meses após seu lançamento, o filme atraiu a atenção de repórteres da imprensa, que acabaram revelando nomes antes censurados de compradores das obras.</p> 2019-12-12T15:20:20-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/151615 Disputas en torno a la Televisión Pública 2019-12-26T13:53:01-02:00 Yamila Heram yaheram@yahoo.com.ar <p>O objetivo deste artigo é analisar as críticas da televisão ao canal Televisión Pública, da Argentina, durante a atual gestão (2015-2018), a fim de reconhecer quais foram as preocupações e o imaginário que prevaleceram em torno da emissora. As críticas serão analisadas a partir de uma sistematização dos principais eixos que se repetem, problematizando os alcances e limitações dos imaginários na televisão pública.</p> 2019-12-12T15:21:44-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/153363 Posfácios da coleção Jornalismo Literário 2019-12-26T13:53:01-02:00 Myrian Regina Del Vecchio de Lima myriandel@gmail.com José Carlos Fernandes zeca@ufpr.br Cíntia Silva da Conceição cintiasilva.jornalismo@gmail.com Keyse Caldeira de Aquino Macedo myriandel@gmail.com <p>A relação entre o jornalismo e a literatura se apresenta como perspectiva sedutora para produtores e leitores de narrativas midiáticas. Este trabalho tem como<em> corpus</em> 39 títulos da coleção Jornalismo Literário, publicada pela editora Companhia das Letras, de 2002 a 2018. Foram examinadas as interferências editoriais que compõem cada livro, em especial seus posfácios. Ao pressupor que tais interferências são marcadas por definições de jornalismo literário e suas derivações, temos como objetivo reconhecer quais olhares/ênfases os diversos autores dos posfácios lançam sobre essa modalidade do jornalismo. Usou-se metodologia qualitativa para levantar inferências a partir de categorias que emergiram dos textos examinados. O procedimento confirma a amplitude do conceito de jornalismo literário e sua porosidade.</p> 2019-12-12T15:23:27-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/160681 Mudaram as Princesas? 2019-12-26T13:53:01-02:00 Marcia Perencin Tondato mtondato@espm.br Maria Giselda Vilaça giseldavilaca@gmail.com <p>Neste artigo discutimos as ressignificações das Princesas Disney em sites de redes sociais, em que perfis são criados de acordo com interesses diversos. O ponto de partida é o imaginário do feminino surgido nos contos clássicos do século XIX (Grimm, Andersen, La Fontaine, Perrault e Lewis Carroll) e originalmente não escritos para o universo infantil, mas metamorfoseados pela indústria da fantasia na forma de uma diversidade de produtos. O debate tem origem na mudança ainda lenta percebida no perfil das princesas nos últimos dez anos: de jovens indefesas, sonhadoras e esperando pelo príncipe encantado a pequenas heroínas idealistas que lutam por uma causa. O objetivo é explorar essas ressignificações, tomando como base perfis de princesas no Facebook, com o intuito de analisar os elementos constituintes em busca de sinalizadores da representação da identidade feminina na contemporaneidade.</p> 2019-12-12T15:25:23-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/155426 As últimas propagandas partidárias do PT 2019-12-26T13:53:01-02:00 Carla Montuori carla_montuori@ig.com.br Luiz Ademir de Oliveira luizoli@ufsj.edu.br Vinícius Borges Gomes vini-bg@hotmail.com Mariane Motta de Campos marianemottadecampos@hotmail.com <p>O Partido dos Trabalhadores (PT) é um dos principais partidos políticos do Brasil e esteve no epicentro da crise política, sobretudo com o processo de<em> impeachment</em> da Presidenta Dilma Rousseff, ocorrido em 2016. Acometida por denúncias e uma descrença com todo o sistema político, a legenda utilizou o espaço da Propaganda Partidária Gratuita para refazer sua narrativa, em sintonia com aspectos originários de sua história. O artigo lança olhar sobre as peças exibidas pela sigla de 2014 a 2017, já que a PPG foi excluída pelo Congresso Nacional.</p> 2019-12-12T15:27:27-02:00 ##submission.copyrightStatement## https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/150309 Karl Marx - 200 anos 2019-12-26T13:53:01-02:00 Rafael Bellan Rodrigues de Souza rafaelbellan@yahoo.com.br <p>Com a efeméride das comemorações de duzentos anos do nascimento de Karl Marx, o texto apresenta as quatro fases de sua trajetória enquanto jornalista e debate quais características desta práxis noticiosa podem ser relevantes para uma teoria da prática jornalística contemporânea. Na dialética da continuidade/descontinuidade, este percurso históricobiográfico desenha o perfil do jornalista Marx e revela fatores desta produção que podem ser “repetidos” pelos jornalistas atuais, entre eles, o jornalismo como um mapeamento do território em que as ações humanas podem se objetificar e a fidelidade à exatidão dos acontecimentos, vistos em sua concretude.</p> 2019-12-12T15:40:15-02:00 ##submission.copyrightStatement##