Trabalho Rural Assalariado no Mediterrâneo Antigo

  • José Ernesto Moura Knust IFFluminense-Macaé
Palavras-chave: Trabalho Assalariado, Economia Rural, Mediterrâneo Antigo

Resumo

Economias pré-capitalistas não possuem amplos e livres mercados de trabalho livre. A realidade econômica do Mediterrâneo Antigo não era uma exceção. Em seu mundo rural, sobretudo, o peso das economias camponesa e escravista diminuía ainda mais o espaço para o livre mercado de trabalho livre. Contudo, os textos antigos mostram inúmeros exemplos de trabalho assalariado. Identificar como se organizava esse trabalho rural assalariado e explicar sua dinâmica dentro de uma realidade pré-capitalista são os objetivos deste artigo. Tendo como fonte primária central o tratado sobre agricultura de Catão, mas buscando informações em outras fontes antigas de diferentes regiões do Mediterrâneo, apresentarei um quadro básico de situações e formas em que o trabalho assalariado aparece no campo. Por fim, identificarei nas relações sociais diversas estabelecidas com a vizinhança o elemento estruturante dessas relações mercantis de trabalho assalariado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Banaji, Jairus. Theory as History: Essays on Modes of Production and Exploitation. Leiden: Brill, 2010.
de Ste. Croix, G.E.M. The Class Struggle in the Ancient Greek World. From the Archaic Age to the Arab Conquests. Ithaca e Nova Iorque: Cornell University Press, 1981.
Dumont, Jean Christian. “La villa esclavagiste ?” Topoi 9, nº 1, 1999.
Dyson, Stephen. Community and Society in Roman Italy, Baltimore e Londres: John Hopkins University Press, 1992.
Edward P. Thompson, “A Economia moral da multidão inglesa no século XVIII”, in: Costumes em Comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
El Bouzid, Saïd. “La notion du mercantilisme consensuel dans las leges privatae chez Catón”. Dialogues d`Historie Ancienne. Vol.21, no.2, 1995.
___________. “Le vocabulaire de la main-d’oeuvre dépendante dans le De Agricultura: pluralité et ambiguïté”. Dialogues d’Histoire Ancienne, v.25, n.1, 1999.
___________. “Place et role de la main-d`oeuvre libre dans l`économie rurale à la fin de la République romaine”. Gerion, no.15, 1997.
Erdkamp, Paul. “Agriculture, underemployment, and the cost of rural labour in the Roman world”. The Classical Quarterly (New Series) 49, nº 02, 1999.
Fuks, Alexander. “Kolonos misthios: labour exchange in Classical Athens”. Eranos 49, 1951.
Garcia MacGaw, Carlos. “Capitalismo romano, modernismo e marxismo. A propósito de algumas ideias de Jairus Banaji sobre o trabalho assalariado.” História e Luta de Classes 14, 2012.
Garnsey, Peter. “Non-Slave Labour in the Roman World”. In: Idem (org.), Non-Slave Labour in the Greco-Roman World. Cambridge: Cambridge Philological Society, 1980.
Garnsey, Peter. Famine and Food supply in the Graeco-Roman World, Cambridge University Press, 1988.
Horden, Peregrine; Purcell, Nicholas. The Corrupting Sea: A Study of Mediterranean History. Oxford: Blackwell, 2000.
Knust, José Ernesto Moura. “Economia Antiga e ‘Racionalidade Limitada’: Uma Crítica Ao Uso de Modelos Neomodernistas”. Revista Cantareira, nº 25, 2016.
___________. “Entre a literatura agrária latina e a economia rural romana: elementos discursivos e aspectos econômicos em Catão e Varrão”. ALÉTHEIA - Estudos sobre Antiguidade e Medievo, no 1 2017.
___________. “Um passado romano para um presente capitalista: a economia romana em dois séculos de História Econômica”. História e Luta de Classes, nº 14, 2012;
Marx, Karl. Formas que precederam a produção capitalista”. In Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.
___________. O Capital. Crítica da Economia Política. Volume 1, Tomo 2. São Paulo: Abril (coleção “Os Economistas”), 1984.
Obsborne, Robin. “Pride and Prejudice, Sense and Subsistence: Exchange and Society in the Greek City”. In: Scheidel, Walter; Von Renden, Sitta. The Ancient Economy. London: Routledge, 2012.
Polanyi, Karl. A grande transformação. As origens de nossa época. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.
___________. A Ilusão da Economia. Editora João Sá da Costa, 1997.
Rathbone, Dominic. “The Development of Agriculture in the ‘Ager Cosanus’ during the Roman Republic: Problems of Evidence and Interpretation”. The Journal of Roman Studies 71, 1981.
Rathbone, Dominic. Economic Rationalism and Rural Society in Third-Century AD Egypt. The Heroninos Archive and the Appianus Estate. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.
Reay, Brendon. “Agriculture, Writing, and Cato’s Aristocratic Self-Fashioning”. Classical Antiquity 24, no 2, 2005.
Rosenstein, Nathan Stewart. Rome at War: Farms, Families, and Death in the Middle Republic. Chapel Hill; London: University of North Carolina Press, 2004.
Saller, Richard. “Slavery and the Roman Family” in: Finley, Moses Finley (ed.), Classical Slavery. London and Portland: Frank Cass, 1987.
Temin, Peter. The Roman Market Economy. Princeton University Press, 2013.
Trevizam, Matheus. Linguagem e Interpretação na Literatura Agrária Latina. Tese de Doutorado, Unicamp, 2006.
Zuiderhoek, Arjan. “Workers of the ancient world: analyzing labour in classical antiquity”. Workers of the world 1, nº 3, 2013.
Publicado
2019-08-09
Como Citar
Knust, J. (2019). Trabalho Rural Assalariado no Mediterrâneo Antigo. Mare Nostrum (São Paulo), 10(2), 165-186. Recuperado de https://www.periodicos.usp.br/marenostrum/article/view/158321
Seção
Dossiê