Sílvio Romero e Machado de Assis: leituras e dissensos do fim do Oitocentos

  • Alberto Luiz Schneider PUC-SP
Palavras-chave: Brasil, História, Literatura, Machado de Assis, Sílvio Romero.

Resumo

O objetivo deste artigo é explorar os dissensos no ambiente intelectual do fim do Século XIX, cujo debate girava em torno da literatura e da crítica literária por meio das obras de Machado de Assis e Sílvio Romero. O segundo, um dos principais críticos literários do país, atacou pesadamente a obra de Machado de Assis, já reconhecido como o maior romancista de sua época. O artigo almeja explorar as razões mais profundas da divergência, para além das disputas de espaço e prestígio no interior da República das Letras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Luiz Schneider, PUC-SP

Alberto Luiz Schneider é Professor de História do Brasil da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. Doutor em História pela Universidade Estadual de Campos - UNICAMP (2005), com Pós-Doutorado no King’s College London (2008) e no Departamento de História da Universidade de São Paulo - USP (2011). Foi professor convidado na Tokyo University of Foreign Studies (2004-2007). Publicou o livro: Sílvio Romero, hermeneuta do Brasil (São Paulo: Annablume, 2005), além de diversos artigos no Brasil e no exterior. Atualmente é também professor temporário de Metodologia da História do Departamento de História da USP.

Referências

Abel Barros Baptista, A formação do nome: duas interrogações sobre Machado de Assis (Campinas: Editora da UNICAMP, 2003).

Alberto Luiz Schneider, Sílvio Romero, Hermeneuta do Brasil (São Paulo: Annablume, 2005)

Alfredo Bosi, Machado de Assis. Coleção Folha Explica. (São Paulo: Folha Publicações, 2003).

Angela Alonso, “Crítica e contestação: o movimento reformista da geração 1870”, Revista Brasileira de Ciências Sociais [vol.] 15, 44 (2000): (36-53).

Angela Alonso, Idéias em movimento – A Geração de 1870 na crise do Brasil-Império (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002).

Anne-Marie Thiesse, A criação das identidades nacionais (Lisboa: Editora Temas e Debates, 2000).

Antonio Candido, “Esquema de Machado de Assis”. In: Vários Escritos (São Paulo: Duas Cidades, 1995).

Antonio Candido, “Fora do texto, dentro da vida”. In: A educação pela noite e outros ensaios (São Paulo: Ática, 1987).

Antonio Candido, A educação pela noite e outros ensaios (Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011).

Antonio Candido, O método crítico de Sílvio Romero (Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006).

Antonio Candido, Vários Escritos (Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011).

Brito Broca, “As ‘capelinhas’ literárias”. In: Teatro das letras (Campinas: Editora da UNICAMP, 1993).

Carlos Fuentes, Machado de la Mancha (Ciudad del México: Fondo de Cultura Económica, 2002).

Elias Thomé Saliba, As utopias românticas (São Paulo: Estação Liberdade, 2003). 39-54.

François Hartog, Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo (Belo Horizonte: Autêntica, 2014).

Gilberto Freyre, “O gigante Sílvio Romero”, Correio Popular (Campinas), 22 de abril de 1951.

Gilberto Freyre, Reinterpretando José de Alencar (Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura – Serviço de Documentação, 1955).

Haroldo Ceravolo Sereza, “O Brasil na Internacional Naturalista: adequação da estética, do método e da temática naturalistas no romance brasileiro do Século 19” (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo – FFLCH-USP, 2012).

Hélio Seixas Guimarães, “Romero, Araripe, Veríssimo e a recepção crítica do romance machadiano”, Revista Estudos Avançados [vol.] 18, 51 (2004) (269-298).

Hélio Seixas Guimarães, Os leitores de Machado de Assis (São Paulo: Nankin / EDUSP, 2012).

Jeffrey D. Needell, Belle Époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século (São Paulo: Companhia das Letras, 1993).

João Cezar de Castro Rocha, À roda de Machado de Assis: ficção, crônica e crítica (Chapecó: Editora Argos, 2006).

João Cezar de Castro Rocha, em Machado de Assis: por uma poética da Emulação (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013)

João Cezar de Castro Rocha. “‘O ruído das festas’ e a fecundidade dos erros: como e por que reler Sílvio Romero”, Revista Tempo Brasileiro: Repensando o Brasil com Sílvio Romero [n.] 145 (2001) (84-85).

John Gledson, Machado de Assis: imposturas e realismos (São Paulo: Companhia das Letras, 2005)

José Leonardo Nascimento, O “Primo Basílio” na imprensa brasileira do Século 19 – Estética e História (São Paulo: Editora da UNESP, 2008).

Jules Michelet, O Povo (São Paulo: Martins Fontes, 1988).

Lúcia Miguel Pereira, Machado de Assis: estudo crítico e biográfico (Belo Horizonte, São Paulo: Editora Itatiaia / EDUSP, 1988).

Machado de Assis, “A nova geração”. In: Obra Completa de Machado de Assis, vol. III (Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994).

Machado de Assis, “O primo Basílio”. In: Obra Completa de Machado de Assis, vol. III (Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994).

Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas. Obra Completa de Machado de Assis, vol. I (Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994).

Nélson Romero, Prefácio a Sílvio Romero. História da literatura brasileira, 5 vols. (Rio de Janeiro: José Olympio, 1943)

Nicolau Sevcenko, Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República (São Paulo: Editora Brasiliense, 1999).

Reinhard Koselleck, Passado Futuro: Contribuição à semântica dos tempos históricos (Rio de Janeiro: Contraponto / Editora da PUC-Rio, 2006).

Richard Miskolci, “Machado de Assis, o outsider estabelecido”. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 15, jan/jun 2006, p. 352-377. 373

Roberto Schwarz, “A viravolta machadiana”. In: Martinha versus Lucrécia (São Paulo: Companhia das Letras, 2012).

Roberto Schwarz, Ao Vencedor as Batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro (São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2012)

Roberto Schwarz, Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis (São Paulo: Duas Cidades / Editora 34, 2012)

Roberto Ventura, Estilo tropical – História intelectual e polêmica literária no Brasil, 1870-1914 (São Paulo: Companhia das Letras, 1991)

Roberto Ventura, Estilo Tropical: História cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914 (São Paulo: Companhia das Letras, 1991).

Rodrigo Turim, Tessituras do Tempo: discurso etnográfico e historicidade no Brasil Oitocentista (Rio de Janeiro: EDUERJ, 2014)

Sidney Chalhoub, Machado de Assis, Historiador (São Paulo: Companhia das Letras, 2012).

Sílvio Romero, "Século XIX (Fase Romântica), 1830-1880, vol. III – Prosadores: ainda dramaturgos e romancistas". In: Compêndio de História da Literatura Brasileira – Obras Completas de Sílvio Romero (Rio de Janeiro, Aracaju: Imago Editora / Editora da UFS, 2001).

Sílvio Romero, “Novas contribuições para o estudo do folclore brasileiro”. In: História da literatura brasileira, Tomo 1 (Rio de Janeiro: José Olympio, 1953).

Sílvio Romero, “Sobre Émile Zola”. In: Sílvio Romero: teoria, crítica e história literária, org. Antonio Candido (Rio de Janeiro / São Paulo: Livros Técnicos e Científicos / EDUSP, 1978).

Sílvio Romero, A literatura e a crítica moderna (Rio de Janeiro: Imprensa Industrial de João Ferreira Dias, 1880).

Sílvio Romero, Discurso pronunciado aos 18 de dezembro de 1906, por ocasião da recepção do Dr. Euclydes da Cunha. In: Provocações e debates: contribuições para o estudo do Brasil social (Porto: Lello & Irmão Editores, 1910).

Sílvio Romero, História da literatura brasileira, 2 vols. (Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 1888)

Sílvio Romero, História da literatura brasileira, Tomo 1 (Rio de Janeiro: José Olympio, 1953) Sílvio Romero, História da literatura brasileira, Tomos I e II, 2 vols. (Rio de Janeiro: Imago Editora, 2001).

Sílvio Romero, História da literatura brasileira, Tomo 1 (Rio de Janeiro: José Olympio, 1953).

Sílvio Romero, Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira (Campinas: Editora da UNICAMP, 1992, reimp.).

Sílvio Romero, Novos estudos de literatura contemporânea (Rio de Janeiro: Garnier, 1898).

Thomas E. Skidmore, Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (São Paulo: Companhia das Letras, 2012)

Publicado
2016-10-07
Como Citar
Schneider, A. (2016). Sílvio Romero e Machado de Assis: leituras e dissensos do fim do Oitocentos. Intelligere, 2(2), 49-67. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2016.117107