Barroquismo amazonense Linguagem e real na Amazônia de Euclides da Cunha

  • Ingrid Robyn

Resumo

Este artigo analisa os aspectos literários de Um paraíso perdido, coletânea dos textos que Euclides da Cunha dedicou à Amazônia. Considerando o barroquismo desta obra, propõe-se contrastar esses textos com o projeto estético-cultural de Alejo Carpentier. Sugere-se que, como no caso do escritor cubano, a presença desse barroquismo na obra de Euclides da Cunha reflete um esforço consciente de mimetizar, a través da linguagem, o caráter convulsivo, desmesurado e maravilhoso que o autor atribui à própria paisagem amazônica; estabelecendo-se assim um paralelismo entre linguagem e real, ao mesmo tempo em que se questiona a possibilidade mesma de nomear essa paisagem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-10-07
Como Citar
Robyn, I. (2016). Barroquismo amazonense Linguagem e real na Amazônia de Euclides da Cunha. Intelligere, 2(2), 95-109. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2016.118358