Narrativas autobiográficas de Ferreira Gullar

entre o neovanguardismo e a arte engajada

  • Reginaldo Sousa Chaves Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
Palavras-chave: Ferreira Gullar, Autobiografia, Engajamento

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir as narrativas autobiográficas de Ferreira Gullar, poeta e intelectual brasileiro. Na diversidade de gêneros escritos pelo autor, identificamos um “momento autobiográfico” em que ele, recorrentemente, reorganiza suas relações com o passado a partir da urgência presente. Nessas escritas de si há a intenção de posicionar seu percurso e sua obra em um lugar de legitimidade no campo de forças da literatura e da cultura brasileira. Este trabalho aborda as releituras que o poeta realizou de sua própria trajetória no período que compreende a sua atuação nas neovanguardas concretas e neoconcretas até sua adesão às formas engajadas de agitação esquerdista. As narrativas de si que Gullar realizou entre o final dos anos cinquenta e começo dos anos sessenta encontram efetividade através de avanços e recuos de suas posições políticas e estéticas. Esses posicionamentos mantêm relação intrínseca com as turbulências sociais e culturais no Brasil durante a detonação do regime de exceção em 1964 e a repressão intensificada após o AI-5. Nessas escritas de si, o poeta deixa entrever tanto rupturas quanto permanências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Rodrigo Davi. Sartre no Brasil: Expectativas e repercussões. Campinas: Editora UNESP, 2009.
BARCELLOS, Jalusa. CPC da UNE: uma história de paixão e consciência. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.
BENJAMIN, Walter. Rua de Mão Única. Infância berlinense: 1900. Tradução: João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica: 2013.
BUARQUE DE HOLANDA, Heloísa. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde (1960-70). São Paulo: Brasiliense, 1981.
BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 1999.
CAMPOS, Augusto. HAROLDO, Campos PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: Ateliê, 2006.
DAMIÃO, Carla Milani. Sobre o Declínio da “Sinceridade”. Filosofia e autobiografia de Jean-Jacques Rousseau a Walter Benjamin. São Paulo: Edições Loyola, 2006.
DE MAN, Paul. Autobiografia como Des-figuração. Sopro, no 71, maio/2012. Disponível em: www.culturaebarbarie.org. Acesso: 24/09/2015.
DUNN, Christopher. Brutalidade Jardim: A tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. São Paulo: UNESP, 2009.
GULLAR, Ferreira. Poesia Completa, Teatro e Prosa. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2008a.
_______. BASTOS, Oliveira. JARDIM, Reynaldo. Poesia Concreta: Experiência Intuitiva. Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, 2ª Caderno, Rio de Janeiro, p.07, 23 de Junho, 1957. In: REZENDE, Renato. SANTOS, Roberto Corrêa dos. COHN, Sérgio (Org.). Sdjb: uma antologia. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2016.
_______. Ferreira Gullar conversa com Ariel Jiménez. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.
_______. Cultura posta em Questão, Vanguarda e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.
_______. Experiência neoconcreta: Momento limite da arte. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
_______. Autobiografia poética e outro textos. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.p.37-39. Narrado anteriormente, com variantes, em Idem. Experiência neoconcreta: Momento limite da arte. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar Escrever Esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.
LEJEUNE, Philippe. O Pacto Autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: UFMG, 2014.
NAPOLITANO, Marcos. Cultura brasileira: (1950-1980). São Paulo: Contexto, 2001.
RIDENTI, Marcelo. Brasilidade revolucionária: um século de cultura e política. São Paulo: Editora Unesp, 2010.
SELIGMAN-SILVA, Márcio. Apresentação da Questão: A Literatura do Trauma. In: ______. (org.). História, Memória e Literatura: o testemunho da era das catástrofes. Campinas: Ed. UNICAMP, 2003.
SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
________. Sequências Brasileiras: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
________. O Pai de Família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
Chaves, R. (2019). Narrativas autobiográficas de Ferreira Gullar. Intelligere, (8), 15. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9020.intelligere.2019.150324
Edição
Seção
Artigos