Entre enigmas e possibilidades

configurações detetivescas nos romances As iniciais, de Bernardo Carvalho, e O silêncio da chuva, de Luiz Alfredo Garcia-Roza

Autores

  • Taynara Leszczynski Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Maria Salete Borba Universidade Estadual do Centro-Oeste

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.161089

Palavras-chave:

Literatura brasileira contemporânea, Romance policial, Detetive

Resumo

Esta pesquisa adentra o campo da literatura policial, investigando de que maneira as configurações detetivescas modernas criadas por Edgar Allan Poe, fazem-se presentes, reinventando-se na contemporaneidade. Assim, para responder a essa questão, busca-se entender as configurações detetivescas modernas e analisar os romances policiais brasileiros As iniciais (1999), de Bernardo Carvalho, e O silêncio da chuva (2005), de Luiz Alfredo Garcia-Roza, para visualizar como essas configurações são postas nos livros. Destaca-se que o romance policial contemporâneo, apesar de manter muitas configurações modernas, não tem uma estrutura fixa e linear, dividindo-se em duas áreas: o whoddunit e o roman noir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taynara Leszczynski, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Mestranda (bolsista CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Possui graduação em Letras - Português e Literaturas de Língua Portuguesa (2018) pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) e Letras - Português e Inglês (2018) pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR). Atuou como bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e como voluntária no Programa Institucional de Bolsas à Iniciação Científica (PIBIC). Realiza pesquisas direcionadas à Literatura Policial e Literatura Fantástica com ênfase na contemporaneidade.

Maria Salete Borba, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Maria Salete Borba possui Bacharelado em Pintura e Gravura (2000) e Especialização em Linguagens Visuais Contemporâneas (2003) pela Universidade do Estado de Santa Catarina; Licenciatura em Letras (Português e Francês)(2003); Mestrado(2005), Doutorado (2009) e Pós-doutorado (2012) em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Doutorado sanduíche pela Universidade de Leiden (2008). Foi professora colaboradora de Desenho Artístico da Universidade Estadual de Santa Catarina (2002-2005) e professora convidada de Língua e Literatura Brasileira na Universidade de Leiden (2009-2011). É professora do Departamento de Letras, e do Programa de Pós-graduação em Letras, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Atua como pesquisadora na área de Letras com ênfase em Teoria Literária, Literatura Comparada, Literatura Brasileira e Latino Americana, dedicando-se ao estudo dos temas memória, tempo, cultura tendo como relevância a teoria da modernidade, assim como, das relações entre literatura e outras artes.

Referências

AGAMBEN, G. O que é o Contemporâneo? In: AGAMBEN, G. O que é o Contemporâneo? e outros ensaios. Tradução: Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009. p. 55-73.

ALBUQUERQUE, P. M. O mundo emocionante do romance policial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

BAUDELAIRE, C. Sobre a modernidade. Tradução: Teixeira Coelho. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

BENJAMIN, W. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução: José Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1991.

CALVINO, I. Para que ler os clássicos? In: CALVINO, I. Por que ler os clássicos. Tradução: Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. p. 9-16.

CARVALHO, B. As iniciais. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

CHAUVIN, J. P. Crimes de festim: ensaios sobre Agatha Christie. São Paulo: Todas as Musas, 2017.

FRANCO, A. A. Labirintos perdidos: ficção contemporânea em trânsito nos romances de Bernardo Carvalho e Francisco José Viegas (2000-2010). 2013. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GARCIA-ROZA, L. A. O silêncio da chuva. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

MAGRI, M. M. Figurações da AIDS em As Iniciais, de Bernardo Carvalho. Via Atlântica, São Paulo, n. 29, p. 445-460, 2016.

NEBIAS, M. M. R. A reinvenção do detetive em tempos pós-utópicos. Fólio: Revista de Letras, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 9-20, 2010.

PIGLIA, R. Formas breves. Tradução: José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

PIGLIA, R. Sobre el género policial. In: PIGLIA, R. Crítica y ficción. Buenos Aires: Lectulandia, 1986. p. 32-34.

POE, E. A. Contos de imaginação e mistério. Tradução: Cássio de Arantes Leite. São Paulo: Tordesilhas, 2015.

POE, E. A. Poemas e ensaios. Tradução: Oscar Mendes e Milton Amado. São Paulo: Globo, 1999.

PONTES, M. Elementares notas sobre a história da literatura policial. Rio de Janeiro: Odisseia, 2007.

REIMÃO, S. L. O que é romance policial. São Paulo: Brasiliense, 1983.

REIMÃO, S. L. Literatura policial brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

TODOROV, T. Tipologia do romance policial. In: TODOROV, T. As estruturas narrativas. Tradução: Leila Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 1970. p. 93-104.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

LESZCZYNSKI, T.; BORBA, M. S. Entre enigmas e possibilidades: configurações detetivescas nos romances As iniciais, de Bernardo Carvalho, e O silêncio da chuva, de Luiz Alfredo Garcia-Roza. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 27, p. 324-346, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.161089. Disponível em: https://www.periodicos.usp.br/Rumores/article/view/161089. Acesso em: 25 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos